Rede aleluia
Jornais atacam decisão que libera abertura de igrejas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de Abril de 2021 - 19:55


Jornais atacam decisão que libera abertura de igrejas

Será que eles estão mesmo preocupados com a população?

Jornais atacam decisão que libera abertura de igrejas

Diversos noticiários, especialmente os da Rede Globo, estão, desde o último sábado (03) dedicando horas de sua programação a criticar a decisão do ministro Nunes Marques, que libera a prática de atividades religiosas presenciais no Brasil.

Jornalistas como Maju Coutinho, que recentemente declarou que “o choro é livre” para quem não consegue trabalhar e sustentar a família, agora debocha do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) alegando que ele “acha que pode ter culto agora”.

Na verdade, o ministro não “acha”. Como membro da Suprema Corte, a mais alta instância da justiça, o ministro de fato tem autoridade para determinar a legalidade de decisões tomadas com o pretexto de conter a pandemia de COVID-19.

Além da Globo, outros veículos como Band News e Estadão criticaram a reabertura das igrejas. O jornal Folha de S. Paulo declarou que há a avaliação de que “a posição do ministro é minoritária e frágil tecnicamente. Assim, deve ser derrubada no plenário”.

Todas essas empresas estão pressionando o STF, que tomará uma decisão em conjunto e definitiva na próxima quarta-feira (7). Eles alegam que as pessoas não podem praticar sua fé presencialmente por conta de aglomerações.

Mas será que é isso mesmo o que os preocupa?

Mais um capítulo da perseguição

A decisão do ministro Nunes Marques exige que as igrejas preencham, no máximo, 25% de sua capacidade total. Também exige o uso de máscaras, a disponibilização de álcool em gel e o espaçamento entre as pessoas.

Mesmo assim, para jornalistas como Luiz Megale, a decisão é “perigosa”, pois não se sabe “quem vai fiscalizar o cumprimento das regras”. Ora! Não apenas se quer proibir as pessoas de praticarem sua fé, como coloca-se em dúvida a integridade e a honestidade de representantes religiosos, como se eles estivessem dispostos a descumprir leis para prejudicar os fiéis.

Engana-se quem acredita que o discurso da Globo e de seus pares contra a fé é a favor do povo. Esses veículos têm deixado claro seus descontentamentos com o presidente Jair Bolsonaro – que considerou desde o início a essencialidade das igrejas para a saúde mental e espiritual das pessoas. Por isso ataca a decisão de Nunes Marques.

Os ataques à decisão de Nunes Marques acontecem porque, aparentemente, a mídia escolheu o seu inimigo na propagação da COVID-19: as celebrações religiosas com a presença de público, mesmo que com muita responsabilidade.

Desde a eleição do presidente Bolsonaro, a imprensa tem se comportado como um partido de oposição, e escolheu as igrejas evangélicas como alvo eleitoral a ser abatido até 2022. Ademais, para os governadores, que também determinam medidas sanitárias, também pesa o contexto político, de oposição ao Governo Federal.

Entretanto, como o próprio ministro declarou, “justamente por vivermos em momentos tão difíceis, mais se faz necessário reconhecer a essencialidade da atividade religiosa, responsável, entre outras funções, por conferir acolhimento e conforto espiritual”.

Eduardo Bravo, presidente da UNIGREJAS, vai além, explicando que “quando a pessoa participa de um culto na igreja, sua força interior se renova de fé e esperança, e isto tem influência direta no relacionamento interpessoal, seja na comunidade, dentro de casa, em família e, também, na saúde do indivíduo — fato que até a ciência já confirma”.

Dessa maneira, é “gravosa a vedação genérica à atividade religiosa”, afirmou o ministro. “Proibir pura e simplesmente o exercício de qualquer prática religiosa viola a razoabilidade e a proporcionalidade”.

Na quarta-feira, o STF decidirá se está ao lado do discurso da Globo, ou a favor do bem da população brasileira.

Clamor pela Justiça

Há pressa para que injustiças sejam cometidas. A imprensa, articulada com vários partidos políticos, correm para que as igrejas sejam fechadas o quanto antes, para que o comércio permaneça bloqueado e trabalhadores permaneçam prejudicados.

Mas o cristão tem uma arma infalível: a fé. O próprio Senhor Jesus ensinou:

“E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça” Lucas 18.8

E hoje o cristão tem pressa. O trabalhador, o desempregado, o doente, o aflito, a viúva, o órfão. Todos têm pressa de Justiça. E é chegada a hora de clamar a Deus para que Sua Palavra se cumpra.

A partir da meia-noite de hoje (entre o dia 05 e 06 de abril), haverá o Clamor por Justiça. Sempre à meia-noite e ao meio-dia. Reserve alguns minutos de seu tempo para clamar a Deus por Sua Justiça, que é infalível.

Vamos juntos, com fé, vencer o mal que aflige nossa sociedade.

Acompanhe abaixo como foi a oração da meia-noite, nesta segunda-feira, 5 de abril:


Jornais atacam decisão que libera abertura de igrejas
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro