Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de Maio de 2018 - 03:05


Índios do litoral paulista assistem ao filme “Nada a Perder”

A aldeia Itaóca, em Mongaguá, recebeu o Cinema Solidário. Veja como foi

19 de Abril. A data no calendário nacional marca um dia especial para o povo indígena, afinal foi institucionalizada por Getúlio Vargas, em 1943, como o “Dia do Índio”.

Desde então, os povos que ocupavam as terras brasileiras, antes mesmo de os portugueses chegarem, são homenageados anualmente com grande alegria. E para os moradores da aldeia Itaóca, localizada em Mongaguá, no litoral sul de São Paulo – a única com índios de duas etnias (a Tupi e Guarani) -, a data foi comemorada de uma forma diferente.

Eles receberam no local os voluntários da Universal e os integrantes do Cinema Solidário que montaram, ao ar livre, toda estrutura de um cinema para que cerca de 400 índios pudessem assistir ao filme “Nada a Perder”. O longa conta a história de vida do Bispo Edir Macedo e como surgiu a Igreja Universal.

Em entrevista à Record TV local, o cacique Sergio Martins (Popiyguá na linguagem indígena) contou como todos estavam se sentindo ao assistirem pela primeira vez um filme em um telão.

“Estamos felizes, sete aldeias se reuniram para assistir ao filme. Muitos, nunca tinham visto uma estrutura como essa montada; para nós é uma novidade, um dia muito especial”, disse.

Ainda não assistiu ao longa?

Desde a estreia, em 29 de março, “Nada a Perder” já foi assistido por mais de 10 milhões de pessoas nos cinemas brasileiros.

A história real do Bispo Edir Macedo é um filme para todos, por isso, se você ainda não assistiu, não perca essa chance, pois ele está em suas últimas semanas de exibição nos cinemas.


  • Por Sabrina Marques / Fotos: Cedidas 


reportar erro