Rede aleluia
Imprensa ignora mobilização social que leva grande público para assistir a “Nada a Perder 2”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Agosto de 2019 - 16:13


Imprensa ignora mobilização social que leva grande público para assistir a “Nada a Perder 2”

Preconceito da mídia contra cristãos alimenta fake news

Imprensa ignora mobilização social que leva grande público para assistir a “Nada a Perder 2”

Neste mês de agosto, dois acontecimentos tomarão as páginas dos jornais e os portais noticiosos. O primeiro é a estreia de “Nada a Perder 2” – continuação do filme nacional mais visto de todos os tempos. O segundo é a velha fake news (notícia falsa, em inglês) sobre a bilheteria da obra cinematográfica.

Desde o lançamento de “Os Dez Mandamentos”, adaptação da novela da Record TV para os cinemas, que a mídia não se conforma com o incrível sucesso de filmes com temática espiritual no Brasil, e tenta diminuir a importância do fenômeno. Talvez por não querer aceitar que a Universal conte com um número gigantesco de pessoas que, de forma voluntária, se mobiliza para que multidões possam assistir a um filme transformador.

Essa aliança solidária em prol de um filme e sua mensagem, não é novidade.

A imprensa noticiou, na ocasião, que espíritas promoveram intensamente filmes ligados à sua religião, como “Chico Xavier” e “Nosso Lar”. Mas não houve qualquer ressalva da mesma mídia que sempre critica os cristãos por abraçar e divulgar obras como “Nada a Perder”.

Há também os movimentos que se criam em torno de um filme, como “Pantera Negra”, com voluntários comprando ingressos para distribuir em comunidades carentes dos Estados Unidos, “para assegurar que todas as crianças negras pudessem se ver como heroínas”. Por que os cristãos brasileiros não podem fazer o mesmo, para que os evangélicos possam se ver como donos da própria história?

O ódio e o preconceito contra os cristãos, que cegam parte da imprensa, não a autoriza a mentir.

O filme “Nada a Perder 2”, que estreia esta semana, está fadado ao sucesso porque o público assim o deseja. Goste a mídia, ou não.

UNIcom – Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal


Imprensa ignora mobilização social que leva grande público para assistir a “Nada a Perder 2”
  • Unicom / Foto: Divulgação 


reportar erro