Rede aleluia
Imigrantes latinos dependem de solidariedade para não passar fome
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de maio de 2020 - 00:05


Imigrantes latinos dependem de solidariedade para não passar fome

Pesquisa mostra que 10,7 milhões de indocumentados não terão acesso à ajuda do governo norte-americano

Imigrantes latinos dependem de solidariedade para não passar fome

Nos Estados Unidos, as comunidades de imigrantes da América Latina são as mais atingidas pela pandemia, como mostra um levantamento da BBC News Brasil. Para socorrer essas comunidades, o programa social Unisocial-EVG, mantido pela Igreja Universal do Reino de Deus, se mobilizou e ajudou 23.300 famílias de 27 Estados norte-americanos no início de abril, com doações de alimentos não perecíveis e kits de higiene pessoal.

O Unisocial-EVG nos Estados Unidos, voltado para brasileiros, hispânicos e americanos, arrecadou e doou 85 toneladas de alimentos não perecíveis, 28 mil kits de higiene pessoal e roupas.

Clodomir Santos, responsável pelo trabalho em espanhol no país, ressalta que os imigrantes são os mais desamparados nos Estados Unidos. “A situação dos imigrantes é mais crítica do que se possa imaginar. Além do aumento do desemprego por causa da pandemia, temos a questão das pessoas indocumentadas, que não têm acesso a nenhum benefício proporcionado pelo país. Mais do que nunca a Universal tem se empenhado em todo o mundo para mudar essa situação. Aqui nos Estados Unidos realizamos uma parceria com o governo para fazer esse trabalho social. A luta tem sido incansável, mas temos logrado êxito”, explica.

Para J.R., uma das vítimas da crise do novo coronavírus, é muito difícil enfrentar a pandemia longe dos parentes, que residem em outro país. “Tenho procurado me cuidar, mas a situação é muito delicada. No momento, minha saúde está debilitada e não sou capaz de sair e comprar minhas coisas. Estou sozinha neste país e encontrar ajuda é muito difícil”, conta.

No caso de S.B., o desabastecimento nos supermercados e a pouca renda da família são os maiores problemas. “É uma situação muito desconfortável. Temos lutado para sobreviver. Hoje estou feliz porque a Universal trouxe esses alimentos que eu tanto precisava”, disse.

Crise no primeiro mundo
Com a crise econômica provocada pela pandemia de Covid-19, o número de desempregados nos Estados Unidos poderá chegar a 20 milhões em abril, conforme estimativa do Oxford Economics.

A projeção foi realizada depois que o país registrou um recorde no número de solicitações do seguro-desemprego: em uma semana foram mais de 3,2 milhões de pedidos.

Quem também está sofrendo com a crise são os imigrantes indocumentados. De acordo com o USA Today, cerca de 10,7 milhões de pessoas nessa situação no país não terão acesso ao pacote de medidas do governo nem ao seguro desemprego.


Imigrantes latinos dependem de solidariedade para não passar fome
  • UNICom / Foto: Cedida 


reportar erro