Rede aleluia

Notícias | 6 de setembro de 2019 - 12:19


Há saída para problemas como a depressão, a automutilação e os vícios

Encontro a céu aberto reúne milhares de jovens no evento “Help”, em Botsuana. Veja como foi

Levar ajuda aos jovens que têm sofrido com problemas como a depressão, a automutilação e os vícios. Igualmente, mostrar a eles que há uma saída para tudo isso. Foi com esse propósito que o grupo Força Jovem Universal (FJU) de Botsuana, na África Austral, realizou um encontro a céu aberto, em 25 de agosto último.

O evento denominado “Help” (ajuda, em tradução livre para o português) reuniu mais de 3 mil pessoas no estacionamento da Catedral em Gaborone (capital) e em mais 4 templos no norte do país. A maior parte do público, jovens abaixo dos 25 anos, representou mais da metade da população de Botsuana (53%).

“É de grande importância a realização de ações como essa no país. Principalmente, pelo fato de que o número de jovens sofrendo com depressão vem aumentando dia após dia. Tal qual o número de usuários de drogas. Por isso, eventos como o ‘Help’ se tornam fundamentais para ajudar o jovem a ter uma oportunidade de mudar de vida”, afirmou o Pastor Wabatsa Sibala, responsável pelo trabalho do grupo FJU em Botsuana.

Uma oportunidade de resgatar jovens

A designer gráfica e fotógrafa Ponalo Rainong (foto abaixo), de 32 anos, acompanhou o evento. Ela, que tem uma história de abuso na infância e de superação na juventude, acredita que ações como essa são uma oportunidade de resgatar jovens que passam por grandes adversidades e precisam de apoio.

“Vivemos num mundo onde tudo é muito corrido. As redes sociais têm reduzido a interação entre as pessoas, inclusive entre pais e filhos. Muitos jovens se sentem excluídos. E, mesmo que tentem camuflar esse sentimento com o uso das drogas, não conseguem. O que acaba levando-os à depressão e ao suicídio. Acredito que o evento veio como um resgate para esses jovens, mostrando que existe quem se importa com eles: Jesus”, disse.

Aos 8 anos, Ponalo sofreu abuso sexual e também bullying na escola. “Eu tive um passado terrível. Isso, me levou a não acreditar em mim mesma. Eu me culpava por tudo, não acreditava que a felicidade existisse. Mas, quando cheguei ao grupo jovem e comecei a participar das reuniões, aprendi sobre Jesus e que Ele se preocupa comigo. Foi a partir daí que minha vida mudou. Pois, um dia, eu recebi ajuda de alguém”, declarou.

É possível mudar de vida

Durante o evento, o Bispo Luís Valle, responsável pelo trabalho da Universal em Botsuana, realizou uma oração de fé em prol de todos os presentes. Ainda mais, ele ministrou palestras com o objetivo de facilitar a compreensão dos jovens sobre o perigo da depressão e do uso de drogas.

Além disso, houve também uma ação do projeto Arte e Cultura com peças de teatro e coreografias de dança sobre os temas abordados no encontro. Nesse ínterim, o jovem Kitso Molefhe (foto abaixo) deu seu testemunho em púbico. Aos 8 anos, ele ficou devastado após a morte do pai e rebelou-se.

“Parecia impossível mudar. Meu pai era meu exemplo e a morte dele me afetou emocionalmente. Procuramos curandeiros em busca de ajuda. Mas, diziam que haviam feito um feitiço para meu pai e isso trouxe divisão na minha família. Eu também odiava e culpava minha mãe. Fui expulso de pelo menos 10 escolas. Aos 12 anos, experimentei cigarro e bebida alcoólica. Foi com essa idade que também tentei o suicídio pela primeira vez”, contou.

“Aprendi que poderia vencer meus problemas”

Já na adolescência, Kitso perdeu quase tudo o que tinha. “Aos 14, eu já fazia parte de gangues e me mutilava – bebia meu sangue e adorava ao diabo. Gastei toda a minha herança com drogas e mulheres, tentando preencher o vazio dentro de mim. Quando o dinheiro acabou, comecei a roubar e traficar. Minha vida era miserável. O pior momento foi quando perdemos nossa casa. Alguns dos meus amigos estavam na cadeia, outros morrendo. Eu estava sozinho.”

Até que Kitso, que ainda criança acreditou que uma mudança era impossível em sua vida, recebeu um convite e decidiu aceitá-lo: “Meu avô já frequentava a Universal. E, um dia, a minha tia me convidou para uma reunião. Foi quando comecei a participar das correntes para me libertar das drogas. Aprendi que poderia vencer todos os meus problemas. Deus me deu uma segunda chance. Hoje, estou liberto, mudei minha forma de viver e sou muito feliz”, concluiu.

Para saber mais sobre o trabalho da Universal

Quer saber mais sobre a Universal em Botsuana e em outros países do continente africano e pelo mundo? Então, acesse diariamente o site universal.org e atualiza-se com notícias dos trabalhos de evangelização, social e outras ações de grupos de voluntários. Ademais, encontre um endereço mais próximo de sua casa e participe de uma reunião.


  • Michele Roza / Fotos: Cedidas 


reportar erro