Rede aleluia

Notícias | 16 de julho de 2016 - 03:08


Grupo da Universal sente de perto a dor de quem tem um familiar preso

Trabalho da Igreja dentro e fora das penitenciárias cresce cada vez mais

De acordo com dados do Internacional Center for Prison Studies (Centro Internacional de Estudos Penitenciários), o Brasil está em quarto lugar no ranking dos países com a maior população prisional, somente atrás dos Estados Unidos, China e Rússia.

Um dos últimos levantamentos realizados pelo Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça mostrou que a população prisional brasileira chegou a 607.731 pessoas. Pela primeira vez, o número de presos no País ultrapassou a marca de 600 mil. Desde o ano 2000, a população prisional cresceu, em média, 7% ao ano, totalizando um crescimento de 161%, valor dez vezes maior que o crescimento do total da população brasileira.

Preocupada com essa realidade, a Universal desenvolve um trabalho de ajuda espiritual, moral e social, há mais de 30 anos, em presídios de vários estados brasileiros. O Grupo de evangelização em presídios e hospitais penitenciários, chamado de Universal Nos Presídios (UNP), vai semanalmente aos cárceres de todo o Brasil levar a Palavra de Deus aos que estão atrás das grades. “Nós não vemos os presos como criminosos, nós vemos os presos como alma”, comentou o Bispo Edir Macedo, líder da Universal.

Como resultado dessa ação, mudanças de comportamento significativas aconteceram entre os detentos e seus parentes.

Baseados nessa fé, os voluntários do grupo do Rio Grande do Norte prepararam um café da manhã especial para todas as mães que sofrem com seus familiares presos. Além do alimento, eles distribuíram livros, orientaram espiritualmente a todos e fizeram orações pelas famílias. Veja no vídeo abaixo como foi este encontro:

Quer saber mais sobre o grupo da Universal que atua nos presídios? Clique aqui.

E pela Rede Aleluia, diariamente, às 21 horas, as pessoas podem conversar, por meio da programação “Momento do Presidiário”, com entes queridos que estão limitados às grades. Ouça e participe.


  • Por Sabrina Marques / Foto: Reprodução 



reportar erro