Rede aleluia
Grandes empresas perdem milhões por posicionamentos ideológicos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de Maio de 2022 - 18:22


Grandes empresas perdem milhões por posicionamentos ideológicos

Confira essa análise e entenda

Grandes empresas perdem milhões por posicionamentos ideológicos
“A empresa que ‘lacra’ não lucra”, essas foram as palavras do jornalista Paulo Figueiredo ao explicar como grandes empresas têm tido perdas nos lucros e nas vendas devido a posicionamentos ideológicos no mercado. 
O que você precisa saber:

Observe alguns exemplos de empresas que tiveram seus lucros e vendas abaladas após posicionamentos ideológicos.

  • A Netflix, que sempre se posicionou pelas causas LGBTQIA+, perdeu 200 mil assinantes no primeiro trimestre deste ano e estima perder mais de 2 milhões. Devido a isso, as ações da empresa caíram mais de 41% e, desde 2021, caiu mais de 71%, fazendo a empresa valer menos de 1/3 do que já valeu.
  • A Rede de Notícias CNN, conhecida por seu posicionamento esquerdista, lançou no mês passado seu serviço de streaming de notícias, chamado CNN Plus. Ela estimava vender 2 milhões de assinaturas, mas foram vendidas menos de 150 mil, mesmo com preço reduzido e o serviço já foi até descontinuado.
  • Por fim, após a Disney se posicionar contra uma lei que impede o ensino de educação sexual e identidade de gênero a crianças de menos de oito anos, teve sua confiança no mercado abalada. Uma pesquisa revelou que quase metade dos americanos, sendo 70% republicanos, não confiavam mais na programação da emissora.

O que analisar:

As evidências e os números têm mostrado os efeitos negativos que certos posicionamentos trazem para as finanças das grandes empresas. Um abalo significativo às custas de querer agradar apenas um público. 

Tendo em vista que, independentemente das suas crenças e ideologias, todos são consumidores e merecem ser respeitados da mesma maneira.

Veja também:

Normalização da ideologia de gênero cresce no mundo pop

Polêmica: ideologia de gênero nas escolas

Governo Joe Biden avança em ideologia de gênero


Grandes empresas perdem milhões por posicionamentos ideológicos
  • Redação / Foto: iStock 


reportar erro