Rede aleluia
Governo quer dados de celulares para monitorar infectados
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de abril de 2020 - 20:05


Governo quer dados de celulares para monitorar infectados

A medida foi defendida pelo ministro da saúde como forma de conter crescimento da pandemia. Saiba mais

Governo quer dados de celulares para monitorar infectados

Na última quarta-feira (1º), durante coletiva de imprensa, o ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, pediu para que as empresas de telefonia móvel liberassem o acesso dos dados pessoais dos clientes, a fim de agilizar o combate ao novo Coronavírus.

Segundo o ministro, desta forma, as autoridades de saúde conseguiriam localizar com mais agilidade e eficácia as pessoas infectadas, bem como, possíveis aglomerações e, assim, adotar as medidas necessárias.

No entanto, o pedido dele esbarra na legislação brasileira em vigor, que impede que as operadoras forneçam esses dados, pois viola o direito de privacidade assegurado por lei. Contudo, Mandetta disse que, se for o caso, o governo poderá regulamentar que, em casos de pandemia, essas informações tornem-se públicas.

Com acesso livre a essas informações, o governo terá a exata localização do indivíduo e conseguirá chegar até ele rapidamente, o que facilitaria o trabalho dos profissionais da saúde.

Esse tipo de controle já foi adotado em outros países, a exemplo da China, Coréia do Sul e Israel.

O Bispo Renato Cardoso, inclusive, comentou a respeito da situação desses países, durante reunião transmitida, recentemente, na qual falou sobre os 8 acontecimentos da pandemia que apontam para a volta de Jesus.

Ele destacou que em Israel e na China o governo está usando a tecnologia para rastrear as pessoas, por meio do celular. Ou seja, mesmo sem autorização, o governo controla todos os movimentos delas.

Direito coletivo em detrimento do individual

Isso nos remete ao terceiro acontecimento, mencionado pelo Bispo Renato, que aponta para o fim dos tempos: o direito coletivo supera o individual.

“O direto individual da pessoa é superado pelo direito da comunidade. Aquele sistema do controle social, da vigilância do governo sobre o que o cidadão está fazendo já está se tornando uma norma. As pessoas vão ser controladas em nome do bem comum”, alertou o Bispo, na ocasião.

Esse é o principal argumento por trás das medidas tomadas pelo governo. Abrir mão da própria liberdade, a fim de garantir a saúde de todos.

Por fim, o Bispo chama atenção para o fato de que todas as ações tomadas até agora têm o apelo de proteger a saúde da população: “Quem é que vai combater a ideia de que temos de salvaguardar a saúde de todos? Quem vai dizer que a saúde não é importante? Ninguém! Mas, o que acontece na prática? Muitas pessoas, por causa dessas medidas, estão perdendo o direito de ir e vir, não podem trabalhar, abrir seu comércio, ir à igreja, quer dizer, por causa do coletivo os diretos individuais vão sendo infringidos, vão ficando em segundo plano”, alertou.


Governo quer dados de celulares para monitorar infectados
  • Jeane Vidal / Foto: Getty Images 


reportar erro