Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de outubro de 2018 - 00:05


Fome é realidade para milhões de pessoas

Anjos da Madrugada ajuda quem vive nas ruas do País e do mundo

Conseguir erradicar a fome no mundo. Esse é um dos principais objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas (ONU). Contudo os últimos dados do relatório A Segurança Alimentar e a Nutrição no Mundo, divulgado recentemente, não são animadores e indicam que a fome tem aumentado nos últimos três anos.

Segundo o estudo da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em 2017, 821 milhões de pessoas no mundo, o que corresponde a uma a cada nove, não ingeriram as calorias mínimas para suas atividades diárias. No geral, são 15 milhões a mais de pessoas subnutridas em todo o mundo do que em 2016 e 44 milhões a mais do que em 2015.
Os conflitos, os eventos climáticos extremos e as crises econômicas são apontados pela organização como os principais causadores desse crescimento, mas a marginalização, a desigualdade e a pobreza também são aspectos muito relevantes quanto à falta de acesso a uma alimentação satisfatória.
Como avançar
Maria Rita Marques de Oliveira, professora-doutora do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que atua na articulação da Rede Americana de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, explica que o avanço do índice de fome no mundo se deve à redução dos investimentos em políticas sociais. “As crises do modelo capitalista são cíclicas e sempre refletem nos índices de fome e desemprego. Em tempo de crise, teria que haver políticas emergenciais de proteção social. Basta vontade política”, esclarece.
Na pele
Diante dessa fragilidade, a sociedade se organiza e une voluntários em projetos que auxiliam a demanda de pessoas que vivem, por exemplo, em situação de rua e enfrentam a escassez não só de comida, mas de moradia, vestuário, cuidados médicos, higiene, educação, qualificação profissional e tantas outras questões relevantes.

A cuidadora de idosos Tatiane Cristina (foto a dir.) conhece bem o que é sofrer na pele a carência de assistência social e, principalmente, de comida e abrigo. Há quatro anos, quando ela vivia nas ruas da Cracolândia – local situado no centro de São Paulo onde se reúnem usuários de drogas –, passou fome e chegou a pesar cerca de 40 quilos.
Certa noite, Tatiane foi abordada por voluntários de um grupo que a acolheram. “Sabia que, ao menos uma vez por semana, eles estavam trazendo comida e uma palavra de esperança para nós, mas apenas as doações me interessavam”, conta. Porém, naquele momento, ela parou para prestar atenção ao que eles falavam. “Foi diferente. As palavras deles ficaram martelando na minha mente”, diz.
O grupo
Os voluntários que atenderam Tatiane fazem parte do grupo Anjos da Madrugada, da Universal. O projeto existe desde 2011 e atua para atender as necessidades essenciais de pessoas que vivem em situação de rua.
Hoje, com a vida reconstruída, Tatiane sente-se orgulhosa de poder prestar solidariedade aos que vivem na mesma situação que ela enfrentou outrora. Ela é uma das mais de 25 mil voluntárias que os Anjos da Madrugada têm ao redor do mundo, inclusive em regiões onde a fome é avassaladora, como na África e Ásia, que afeta centenas de milhões de pessoas.


  • Michele Roza / Fotos: Cedidas  


reportar erro