Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de junho de 2019 - 14:07


Folha de S. Paulo usa decisão judicial isolada para atacar a Universal

Justiça tem inocentado Universal de falsas acusações de ex-pastores

Há pelo menos 30 anos, o jornal “Folha de S. Paulo” persegue a Igreja Universal do Reino de Deus, dando palanque ao preconceito religioso que existe no Brasil.

Mas, neste domingo (9/6), o jornal se superou e praticou um atentado não apenas à liberdade de religião, mas ao próprio Jornalismo: expôs, em manchete, com um inacreditável estardalhaço, o resultado de duas decisões judiciais isoladas — que sequer são definitivas –, como se toda a Universal tivesse sido condenada por mentiras contadas no Judiciário.

São ações movidas por duas pessoas cheias de rancor, que, talvez, tenham sido estimuladas por gananciosos, a embarcar em aventuras jurídicas que não terminarão bem para eles.

É como afirmar que a Folha não paga horas extras a nenhum de seus empregados com base em condenações isoladas da Justiça do Trabalho – que sabemos que existem. Seria algo leviano e irresponsável.

O jornal demonstra tanto ódio e preconceito contra a Universal, que, em outras ocasiões, tem escalado uma outra jornalista para ridicularizar a Igreja, seus bispos, pastores e fiéis.

Uma repórter que:

– Afirmou que a Universal pode ser comparada ao programa humorístico “Chaves”;

– Fez chacota da ajuda humanitária de voluntários da Universal, na tragédia da Muzema, no Rio de Janeiro;

– Questionou, publicamente, o valor de uma indenização devida por Fernando Haddad por ofensas ao Bispo Edir Macedo;

– Inventou que a Universal via o ex-presidente Lula como uma “ameaça”;

– Ironizou e fez campanha para desqualificar o sucesso do filme “Nada a Perder, afirmando que foi “inflado”;

– Mentiu que o Templo de Salomão cobra “ingresso”, afirmando, literalmente, que “entrar lá não é para qualquer um”.

Foram tantas maldades e falsidades, que o Departamento de Comunicação Social da Universal (UNIcom) formalizou uma reclamação à Direção do jornal, que foi aceita. A Universal não aceita mais demandas dessa repórter, que possui claro e assumido preconceito.

Em 1987, a “Folha de S. Paulo” lançou uma campanha publicitária que teve bastante impacto na época, e foi até premiada. Dizia que “é possível contar um monte de mentiras dizendo só a verdade”.

Passados 30 anos, parece que o jornal continua seguindo esse slogan para mentir aos seus leitores.

UNIcom – Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal


  • Unicom 


reportar erro