Rede aleluia
Fiocruz: remédio contra hepatite C inibe replicação do coronavírus
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de junho de 2020 - 13:24


Fiocruz: remédio contra hepatite C inibe replicação do coronavírus

Resultados mostraram que antiviral atuou contra o vírus em três diferentes linhagens celulares, além de reduzir a produção de substâncias inflamatórias

Fiocruz: remédio contra hepatite C inibe replicação do coronavírus

Um estudo realizado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) identificou que medicamentos usados atualmente no tratamento de hepatite C inibem a replicação do novo coronavírus em experimentos com células.

Os resultados mostraram o potencial de um antiviral, que atuou contra o vírus em três diferentes linhagens celulares investigadas. Além de ter reduzido a produção de substâncias inflamatórias associadas aos casos graves da COVID-19.

O pesquisador do CDTS/Fiocruz (Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde) e líder do estudo, Thiago Moreno, ressaltou a importância de identificar compostos com ação sobre o novo coronavírus entre fármacos clinicamente aprovados para outras doenças.

“O reposicionamento de medicamentos é reconhecido pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como a maneira mais rápida de identificar candidatos ao tratamento da COVID-19. Considerando que os antivirais de ação direta contra o vírus da hepatite C estão entre os mais seguros, nossos resultados indicam que estes fármacos, em especial o daclastavir, são candidatos para a terapia, com potencial para ser imediatamente incorporados em ensaios clínicos”, afirmou.

Os autores alertaram para os riscos da automedicação e destacaram que os testes em pacientes são fundamentais para avaliar a eficácia de terapias. Além disso, ressaltaram que todas as pessoas com casos suspeitos ou confirmados da COVID-19 devem procurar atendimento médico para orientação da terapia adequada.

Publicado em um site científico, o trabalho foi liderado pelo CDTS/Fiocruz (Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde) em parceria com o IOC/Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz), com participação dos Laboratórios de Imunofarmacologia e de Pesquisa sobre o Timo do IOC.

Também colaboraram INI/Fiocruz (Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas), Unig (Universidade Iguaçu), Idor (Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino), INCT-IDPN (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Inovação de Doenças de Populações Negligenciadas) e INCT-NIM (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Neuroimunomodulação).


Fiocruz: remédio contra hepatite C inibe replicação do coronavírus
  • Do R7 / Foto: Getty Images 


reportar erro