Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de setembro de 2018 - 00:05


Fim dos Tempos: a humanidade esgotou os recursos naturais para o ano de 2018

Índice ecológico mostra que, a cada ano, a natureza sofre para abastecer os seres humanos

No mês passado, a humanidade esgotou os recursos renováveis que a Terra pôde gerar para o ano de 2018.
Entre eles estão as árvores desmatadas, a água, o solo e os peixes, por exemplo. O alerta veio da ONG Global Footprint Network.
Desde a década de 1970, essa data tem se aproximado mais do mês de janeiro. Naquela época, os recursos tinham se esgotado em 29 de dezembro.
Esse mapeamento é feito com base em um índice chamado “pegada ecológica” e parte desse cenário de esgotamento é explicado pelo desperdício de materiais.
Fim dos Tempos
É mais do que evidente que o mundo não está suportando a maneira como os seres humanos o tem conduzido.
Os noticiários, frequentemente, mostram que a natureza está esgotada, mal utilizada e prejudicada. A ação humana tem alterado quimicamente os recursos naturais, sobretudo, por meio da industrialização. E é notável que a elite político-econômica mundial não promove ações eficazes para essa mudança de quadro.
No livro de Apocalipse, da Bíblia, vemos que o fim deste mundo terá o seu início marcado pelo surgimento de quatro cavaleiros.
Os cavalos, nesse contexto, representam a velocidade e a força com que os eventos de catástrofe acontecerão.
Primeiro, haverá o surgimento do anticristo. Ele será um líder mundial que exercerá influência com um discurso de paz e segurança. As pessoas ficarão entorpecidas com a tecnologia e as facilidades do mundo moderno que esse líder usará com habilidade. Mas tudo será para enganá-las, porque ele é a própria encarnação do mal nesse mundo (Apocalipse 6.1-2).
Porém, quando essa paz falsificada acabar, o mundo receberá guerras e destruições. Em seguida, surgirá uma grande fome e miséria. O final culminará em uma grande mortandade no mundo inteiro.
Um desses quatro cavaleiros se relaciona claramente com o que foi observado pela “pegada ecológica”, mencionada acima: o cavaleiro do cavalo preto (Apocalipse 6.5-6).
O surgimento dele revela que haverá uma grande escassez de alimento. Não haverá comida para todos. Com isso – você pode imaginar – também ocorrerá uma grande disputa pelos recursos naturais.
Salvação por meio do Senhor Jesus
Contudo, vale lembrar que esse não é o desejo de Deus para os Seus filhos.
Se você deseja saber mais sobre como é possível buscar a Salvação Eterna, participe de um encontro ainda hoje em uma Universal (veja o endereço aqui).


  • Daniel Cruz / Foto: iStock 


reportar erro