Rede aleluia
Feedback: como dar e receber?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Maio de 2022 - 00:05


Feedback: como dar e receber?

O momento é delicado para gestores e colaboradores que precisam estar aptos para falar e ouvir. Saiba como tirar melhor proveito desse processo

Feedback: como dar e receber?

Os primeiros dias, semanas e meses dentro de uma empresa trazem inúmeras inseguranças para o colaborador. Afinal, tudo é novo e o aprendizado é diário. E para ajudar no crescimento e no desenvolvimento desse profissional existe o feedback. O termo, do inglês, pode significar retroalimentação ou, na prática, retorno ou comentário sobre algo.

No mundo corporativo, o feedback é o ato de falar ao colaborador como tem sido seu desempenho dentro da empresa. “Não é elogiar, passar a mão na cabeça ou criticar negativamente, mas, sim, reconhecer e ajudar a criar diretrizes para melhorar as competências, corrigindo a trajetória”, explica o consultor de recursos humanos Djalma Moraes.

Receber uma crítica pode não ser muito confortável, mas encarar o momento como uma forma de atenção dos gestores para o crescimento profissional pode alavancar a carreira. Uma pesquisa desenvolvida pela consultoria Gallup revelou que os colaboradores que recebem o retorno de superiores tendem a permanecer mais tempo no trabalho, tendo uma taxa de rotatividade quase 15% menor em comparação com aqueles que não recebem orientações.

O engajamento é outro fator que sofre forte impacto quando o profissional recebe um feedback adequado. O mesmo levantamento estima que o engajamento é três vezes maior entre os que trocam informações e experiências sobre o trabalho com seus gestores com mais frequência, do que aqueles que recebem o retorno uma vez por ano.

“Numa equipe onde há respeito, cooperação e transparência, isto deve ocorrer naturalmente. Considero que não existe momento específico, o importante para a liderança ou para os funcionários é se sentirem confortáveis para realizar esta abordagem”, comenta Moraes.

Impulso para a carreira
É preciso desmistificar a ideia do feedback como uma demonstração de que a empresa está insatisfeita e que o funcionário não é qualificado. Ao contrário disso, o objetivo do retorno do gestor é apontar as qualidades do colaborador e usar as suas competências para levá-lo ao crescimento profissional e, consequentemente, dentro da empresa. Muitas instituições, inclusive, criam planos de carreira para seus funcionários.

Desta forma, se o feed- back não vier espontaneamente de um superior, o consultor Djalma Moraes esclarece que o próprio funcionário pode pedir esse retorno. Essa atitude pode até ser valorizada, pois demonstra o interesse em se adequar à cultura da empresa e contribuir com o crescimento da equipe através de seu trabalho. “Não existe fórmula perfeita, o principal é agir com respeito e clareza ao identificar os pontos necessários para dar o efetivo feedback.” Para os gestores, o especialista deixa a dica: “é preciso conhecer o perfil dos colaboradores, alguns se sentem constrangidos diante da liderança, outros não se abalam”.

Formatos de Feedback
Existem muitas estratégias que podem ser usadas durante a conversa entre gestor e colaborador. Uma delas é conhecida por “Stop, Start, Continue”, que, em português, seria “Parar, Começar e Continuar”. A metodologia nada mais é do que uma maneira de organizar de uma forma coerente e clara as informações que serão passadas na reunião.

O líder pode começar falando sobre aquilo que o profissional precisa parar de fazer para desempenhar sua função de forma mais eficiente. Em seguida, esclarecer o que pode começar a ser feito para que os resultados positivos surjam e finalizar destacando os pontos positivos que o colaborador já tem colocado em prática e que devem ser mantidos.

Outra ação muito comum é chamada de “sanduíche”. Essa estratégia engloba três passos, compostos por dois “pães” e o “recheio”, sendo que os pães representam informações positivas e o recheio é aquilo que precisa ser melhorado. Na prática funciona da seguinte forma: o gestor começa reforçando um ponto positivo, em seguida sugere as melhorias e finaliza com outra questão positiva. A ideia é equilibrar o momento do feedback e aproximar o colaborador em vez de afastá-lo. “Cabe ressaltar que dar ou receber feedback demanda estudo e aprendizado de ambas as partes, considerando que o objetivo real de um feed- back é ressaltar ou mudar um comportamento para que o funcionário atinja o seu melhor potencial”, finaliza o consultor de recursos humanos.

A Perseverança compõe o sucesso
Para aqueles que desejam se aprimorar e aprender sobre como desenvolver sua vida profissional, seja como empreendedor, gestor ou mesmo funcionário, há as reuniões do Congresso para o Sucesso, que ocorrem às segundas-feiras, no Templo de Salomão. As palestras gratuitas mostram na prática como aplicar ensinamentos da fé para mudar o rumo da vida financeira. Os encontros acontecem às 7 horas, 10h, 12h, 15h, 18h30 e 22h. Para ter acesso a outras localidades acesse: universal.org/localizar.


Feedback: como dar e receber?
  • Cinthia Cardoso / Foto: getty images / Arte: Eder Santos 


reportar erro