Rede aleluia
Fechamento de templos e igrejas prejudica ações sociais durante a pandemia da COVID-19
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de julho de 2020 - 12:29


Fechamento de templos e igrejas prejudica ações sociais durante a pandemia da COVID-19

Veja também como a Universal tem alcançado milhões de pessoas atingidas pela crise no Brasil

Fechamento de templos e igrejas prejudica ações sociais durante a pandemia da COVID-19

As igrejas e templos religiosos exercem uma função social importante no País. Além de doar alimentos, kits de higiene e roupas, oferecem também apoio psicológico e emocional. Durante a pandemia, a demanda por essas ações ficou ainda mais evidente. Porém, mais de 500 cidades brasileiras ainda proíbem a abertura de espaços religiosos, o que prejudica a ajuda à população.

“Quando pedimos a flexibilização do funcionamento é porque a Igreja tem muito a contribuir com a população. As igrejas têm inúmeros trabalhos sociais e muitos foram afetados pelo fechamento”, comentou o Bispo Eduardo Bravo, presidente da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas), em entrevista concedida à reportagem da Record TV.

Assista à reportagem na íntegra sobre o assunto, exibida no Jornal da Record:

Ajuda humanitária

Desde março deste ano, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia do novo coronavírus, os programas sociais mantidos pela Universal estão mobilizados em uma campanha nacional. Mesmo diante das adversidades, milhares de voluntários levam ajuda às pessoas mais atingidas economicamente e que ficaram impedidas de trabalhar, além de outros segmentos diretamente impactados pela COVID-19.

Em quatro meses, a Universal distribuiu cerca de 22 mil toneladas de alimentos, entre cestas básicas, produtos in natura e refeições prontas. As iniciativas de cunho humanitário já alcançaram, pelo menos, 6,7 milhões de brasileiros.

Alguns números da ajuda humanitária da Universal no período da pandemia: 

  • Alimentos doados (cestas básicas, in natura, refeições, leite etc.): 21.962 toneladas
  • Pessoas beneficiadas com doação de alimentos: 6.234.653
  • Crianças beneficiadas: 250.135
  • Idosos beneficiados: 161.179
  • Pessoas beneficiadas com doação de sangue: 95.524
  • Voluntários envolvidos nas ações: 792.590

Fechamento de templos e igrejas prejudica ações sociais durante a pandemia da COVID-19
  • Redação / Fotos: Getty Images e Cedida 

  • Colaborador: 

  • Michele Roza


reportar erro