Rede aleluia
Fé negada em troca de benefícios
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de agosto de 2020 - 00:05


Fé negada em troca de benefícios

Fé negada em troca de benefícios

O título acima parece familiar quando pensamos no Fim dos Tempos, segundo o livro de Apocalipse? Pois bem, isso vem ocorrendo na China.

A perseguição do governo chinês contra os cristãos que vivem no país ganhou novos capítulos recentemente. Agora, famílias de baixa renda estão sendo obrigadas a abandonar a fé cristã sob risco de perderem benefícios sociais. Além das dificuldades econômicas trazidas pela pandemia do novo coronavírus, pessoas com poucos recursos estão sendo pressionadas pelo preconceito e pelo autoritarismo.

Segundo o site especializado em religião Bitter Winter e o CBN News (The Christian Broadcasting Network), funcionários do governo estão ordenando que os cristãos que recebem pagamentos de assistência social substituam símbolos que remetem à fé por retratos de líderes comunistas da China. “As famílias religiosas empobrecidas não podem receber dinheiro do Estado por nada – elas devem obedecer ao Partido Comunista pelo dinheiro que recebem”, disse um pastor ao Bitter Winter.

O novo regulamento começou a ser aplicado há alguns meses em toda a China. Segundo o Bitter Winter, em maio, um funcionário do governo na província oriental de Shandong invadiu a casa de um cristão e colocou imagens de Mao Tsé-tung e do presidente chinês, Xi Jinping. Em abril, o governo da cidade de Xinyu, na província de Jiangxi, reteve os fundos de cristãos com deficiência que continuaram a participar de cultos.

Autoridades chinesas também destruíram símbolos religiosos em igrejas em províncias como Anhui, Jiangsu, Hebei e Zhejiang, segundo texto do site britânico Daily Mail. Autoridades de Huainan, na província oriental de Anhui, teriam invadido a igreja Shiwan Christ para destruir a cruz do local. Em julho, o governo de Yongjia, na província de Zhejiang, teria enviado um guindaste e quase 100 trabalhadores para demolir as cruzes das igrejas Ao’di Christ e Yinchang Christ. O governo de Linfen, na província de Shanxi, teria convocado todos os funcionários e ordenado que reprimissem atividades religiosas.

Em dezembro do ano passado, um tribunal chinês condenou o pastor Wang Yi a nove anos de prisão sob acusação de incitar a subversão ao poder do Estado e de operar ilegalmente uma empresa, segundo reportagem do jornal The Guardian. O pastor tinha sido preso com outros fiéis e líderes da igreja Early Rain, uma das maiores igrejas protestantes não registradas. A lei chinesa exige que os locais de culto se registrem e se submetam à supervisão do governo. É importante destacar que a Constituição da China garante a liberdade religiosa.

Entretanto, desde que Xi Jinping se tornou presidente, há seis anos, o governo passou a fazer restrições às religiões.

O governo começou a reprimir igrejas clandestinas protestantes e católicas, que não estão sob o regime, e lançou uma nova legislação para aumentar a supervisão às práticas religiosas, com punições severas.

A perseguição religiosa vai contra a Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), que informa, em seu artigo XVIII, que todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião. A postura do país é ainda mais ultrajante se considerarmos o fato de que a China é um dos países-membros da ONU e, como tal, tem a obrigação de respeitar os acordos e compromissos firmados pela organização.

Nessa perspectiva, a perseguição a cristãos não atinge apenas aqueles que professam essa fé, mas é uma afronta aos direitos da Humanidade. Esse tipo de atitude aponta que a intolerância pode atingir também outras parcelas da sociedade, independentemente de religião, idade, cor ou gostos pessoais. Em um país em que as leis não são respeitadas, ninguém está a salvo, uma vez que elas podem ser transgredidas a bel-prazer do seu líder. E, com a globalização, é importante destacar que o autoritarismo pode ultrapassar fronteiras. Por isso, é importante que outras nações e os cidadãos do mundo todo não se calem. É a sua liberdade que está em jogo.


Fé negada em troca de benefícios
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro