Rede aleluia
“Eu tinha o desejo de constituir uma família”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de Maio de 2022 - 00:05


“Eu tinha o desejo de constituir uma família”

Sirleia Gomes passou por várias frustrações até encontrar a felicidade

“Eu tinha o desejo de constituir uma família”

Sirleia dos Santos Miranda Gomes, de 39 anos, conta que sofreu durante muitos anos por causa de sua vida amorosa. “Antes de conhecer o Senhor Jesus, eu tinha uma vida destruída e infeliz. Eu tinha o desejo de constituir uma família, no entanto, internamente, eu não acreditava que isso fosse possível.” Ela afirma que nutria a ideia fixa de que nunca encontraria alguém para se casar e ser feliz.

Com o passar do tempo, ela percebeu que seus relacionamentos eram um reflexo de tudo o que sua mãe passava na vida amorosa. “Minha mãe não conseguia ser feliz com ninguém. Ela se relacionava com várias pessoas e nunca dava certo. Percebi que o mesmo estava acontecendo comigo.”

Apesar das dificuldades no amor, Sirleia continuava acalentando o sonho de se casar e ter filhos. Em busca desse objetivo, ela se envolveu com um homem e engravidou, mas rompeu o relacionamento com ele pouco tempo depois. “Realizei meu desejo de ser mãe e me tornei mãe solteira. Entretanto, para mim, isso não era suficiente. Parecia que a minha felicidade não estava completa”, lembra.

Sirleia explica que chegou à Terapia do Amor cheia de complexos, traumas e com o coração partido. Então, ela passou a fazer a corrente e colocou em prática as dicas ensinadas nas palestras. Porém, ela começou a namorar um rapaz que conheceu na Igreja e deixou de buscar por sua vida amorosa. “Quando eu tinha um relacionamento com uma pessoa, eu não me lembrava de avisar onde eu estava e o que estava fazendo, eram muitas cobranças e eu não conseguia me adaptar à vida a dois”, relata Sirleia.

Ao perceber essa dificuldade, ela voltou a fazer a corrente da Terapia do Amor. “Voltei a agir a Fé. Eu entendi que somente por meio da prática dos ensinamentos da Terapia eu poderia alcançar meu sonho.” Sirleia conheceu seu esposo, Tiago Gomes da Silva Santos, de 40 anos, na Terapia. Eles passaram a frequentar as palestras juntos e pediram a direção de Deus para a vida amorosa deles. No período de oito meses, eles namoraram, noivaram e se casaram. O matrimônio foi realizado no dia 5 de novembro de 2014 na Igreja Universal de Boa Viagem, em Pernambuco.

Depois do casamento, eles contam que passaram por uma fase de adaptação em que tiveram de aprender a superar as diferenças entre eles. “Quando nos casamos, ambos trazíamos bagagens de antigos relacionamentos. Isso posto, precisamos aprender a lidar com todas as situações corriqueiras. Tivemos algumas intercorrências ao longo da vida de casal, mas as superamos”, ressalta Sirleia.

Diante de algumas situações difíceis, Tiago diz que precisou alertar Sirleia para que os dois as vencessem juntos. “Em dado momento do nosso relacionamento, a Sirleia me disse: ‘vamos nos separar’. Eu disse: ‘jamais diga isso novamente sobre o nosso casamento. Vamos resolver’”, conta ele.

Com isso, eles aprenderam a se amar e a se respeitar ainda mais. “Eu pensava em me casar para que alguém me fizesse feliz, mas aprendi que nós nos completamos e ambos precisamos ceder dentro de uma relação”, finaliza Sirleia.


“Eu tinha o desejo de constituir uma família”
  • Kaline Tascin / Fotos: cedidas 


reportar erro