Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de setembro de 2019 - 11:57


“Eu não tinha vontade nenhuma de conhecer esse Deus”

As mentiras espalhadas a respeito da Universal, fizeram com que a advogada Maria Fernandes desistisse de sua própria vida espiritual. Entenda

A advogada Maria Fernandes, de 38 anos, fazia um julgamento pessoal equivocado a respeito das pessoas que frequentavam a Universal, considerando-as sem opinião própria e que, por essa razão, eram facilmente manipuláveis.

Contaminada pelas mentiras divulgadas pela grande mídia de que o fundador da Universal, o Bispo Edir Macedo e os demais pastores faziam farra com o dinheiro do povo, ela decidiu que não seria mais uma vítima dessa “lavagem cerebral” que, supostamente, era feita na igreja.

Como ela mesma define: se “vacinou” a respeito de tudo o que se referia à igreja e ao Bispo.

No entanto, as mentiras tiveram um efeito tão devastador na vida da Maria Fernandes que, ao se bloquear para as coisas da igreja, ela reconhece que matou o interesse em investir na própria vida espiritual. “Eu não tinha vontade nenhuma de conhecer esse Deus que eu ouvia as pessoas falarem que existia”.

Duas “Marias”

Mas, Maria não era tão autossuficiente como parecia ser. Ela se definia como uma mulher de “duas faces”. Ou seja, na frente dos amigos era extrovertida, alegre e brincalhona. Por trás, triste, vazia e deprimida, tanto que chegou a pensar em suicídio.

Mas foi, exatamente, por causa da dor que trazia em sua alma, que toda aquela resistência a respeito da fé foi vencida. E a mulher que, outrora, não queria nem sequer ouvir falar da igreja, pediu para que a levassem até lá.

Veja o que aconteceu com a advogada Maria Fernandes no vídeo abaixo:

Escolha a verdade

Se assim como Maria Fernandes, você tem uma imagem ruim da Universal e de seus membros devido às mentiras espalhadas por aí, assistir ao segundo filme da cinebiografia do Bispo Edir Macedo, “Nada a Perder 2:  Não Se Pode Esconder a Verdade”, é a oportunidade de conhecer a verdade dos fatos que a grande mídia tentou esconder.

O filme já está em exibição nos cinemas em todo o Brasil. Não deixe de conferir!


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro