Rede aleluia
“Eu não tinha paz, não conseguia dormir e não tinha sossego”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de junho de 2020 - 00:05


“Eu não tinha paz, não conseguia dormir e não tinha sossego”

Conheça a história de Carlos Roberto Lopes, que conquistou tudo o que desejava

“Eu não tinha paz, não conseguia dormir e não tinha sossego”

Carlos Roberto Lopes, de 54 anos, chegou à Igreja Universal com a vida destruída em todas as áreas. Usava drogas e era viciado em jogatinas. Passava as noites em bares jogando sinuca, bilhar e jogos de azar. Gastava todo o dinheiro que tinha e não conseguia colocar alimentos dentro de casa. Dependia de vizinhos e parentes, que doavam cestas básicas para que ele e sua família pudessem se alimentar.

Em casa, brigava o tempo todo com a esposa, Cláudia Félix de Lima Lopes. Chegou a ameaçá-la e colocou uma arma em sua boca. “Eu andava armado o tempo todo e as brigas que eu tinha com a minha mulher eram terríveis. Ela chegou a me dar uma facada para se defender de mim”, conta Carlos. “Eu cheguei a dar uma garfada no braço dela. Eu era muito agressivo. Não só com ela, mas com todas as pessoas a minha volta.”

Carlos passou a frequentar a casa de encostos. Sua avó fazia feitiçaria e ele acreditava que isso o ajudaria a vencer seus problemas.

“Aconteceu justamente o contrário. Eu não tinha paz, não conseguia dormir e não tinha sossego. Minha esposa tinha dores de cabeça constantemente e não tinha paz assim como eu”, relata Carlos.

Ao chegar à Universal, o casal participou da Fogueira Santa. Cláudia fez um voto pela vida de seu esposo e para que se libertassem daquela vida de sofrimento. “Passamos a viver de fé, aprendendo a Palavra de Deus e colocando em prática os Seus ensinamentos.”

Hoje Carlos tem uma vida transformada: “tenho carro importado, pude dar um carro para a minha filha de presente, temos tudo do bom e do melhor em nossa mesa, tenho condições de pagar uma escola particular para meu neto e todas as minhas filhas estão na presença de Deus. Comprei uma casa na praia e um apartamento. Hoje eu posso levar minha família a vários lugares bacanas. Além de todas as conquistas materiais, tenho o Espírito Santo e o mais importante: a Salvação da minha alma”, finaliza Carlos.


“Eu não tinha paz, não conseguia dormir e não tinha sossego”
  • Kaline Tascin / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro