Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de dezembro de 2019 - 00:05


“Eu não dava certo com ninguém”

Depois de uma vida marcada por 22 anos de vícios, ela encontrou em Deus o que tanto buscava

Foi aos 16 anos que a ajudante de serviços gerais Maria Barboza da Silva Zifirino, de 44 anos, pensou em cometer suicídio. Cansada de decepções, pensou em dar um fim na angústia que há tempos a acompanhava. “Eu não dava certo com ninguém: amava e não era amada.

Sentia na pele a dor da rejeição. Tive um namoro de adolescência e minha família gostava daquele relacionamemnto, mas descobri que ele tinha se casado com outra”, recorda Maria, que na infância enfrentou momentos difíceis por causa de brigas constantes com a irmã e da ausência do pai.

O vazio que sentia só aumentava. “Tentava me preencher com tudo e com todos: pessoas e vício em bebida e cigarro. Foram 22 anos nos vícios. Adquiri uma tosse muito seca e estava andando com dificuldades. A médica me disse que se não parasse de fumar morreria. Me entreguei àquela situação, pois achava que iria morrer.”

Despertar para a fé
Maria encontrou um lugar que lhe falaram que havia saída para seu sofrimento. Foi em junho de 2015 que, pela primeira vez, participou de uma reunião na Universal. “As reuniões despertaram a vontade de ficar ali. A princípio, eu não queria ter uma vida com Deus, mas somente buscar Suas bênçãos”, conta.

Contudo ela decidiu ouvir a voz do Espírito Santo e seu maior desejo passou a ser a conhecê-lO. “Fui buscando a presença de Deus e, em uma quarta-feira, tive meu Encontro com Ele.” Desde então, tudo mudou. Se antes ela pensava em morrer, agora ela ajuda pessoas que sofrem como ela já sofreu um dia. “Nasceu um desejo de salvar almas e de passar para as pessoas a paz que eu tenho. O Espírito Santo é tudo para mim, Ele preencheu o meu ser, tirou aquele vazio e me libertou dos vícios.”

Hoje ela cuida do que recebeu: “priorizo todas as reuniões, pois cada uma tem um significado, mas as reuniões de busca ao Espírito Santo são importantíssimas. Na verdade, são a base de tudo. Às quartas-feiras, no Estudo da Fé, aprendemos a zelar pela nossa Salvação. O segredo para me manter na Fé é não sair do Altar. Estou na presença de Deus e penso todos os dias em continuar seguindo e fazendo a vontade dEle”, finaliza.


  • Flavia Francellino / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro