Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de janeiro de 2020 - 23:00


“Eu fingia uma felicidade, mas eu era profundamente infeliz”

Saiba como a advogada Renata venceu a depressão

Filha única de uma família de militar, a advogada Renata tinha no pai – um respeitado e condecorado oficial do Exército – seu herói.

Porém, quando viu seus pais se separarem e, um tempo depois, ele falecer, ela entrou em depressão. Sua rotina era entre neurologistas e psicólogos.

Praticante de uma tradicional religião, ainda assim, não entendia o motivo da vida, pois, nada mudava em seu interior.

Falsas soluções

Renata achou que após o casamento toda aquela tristeza profunda acabaria. “Então, me casei, tivemos a lua de mel, mudamos de estado, e eu fingia uma felicidade para as pessoas. Eu não queria deixar transparecer, para quem era de fora, que eu era profundamente infeliz”, recorda.

Sem encontrar uma solução para aquela angústia constante, a advogada começou a ver o suicídio como uma saída para o seu sofrimento, chegando a tentar, por duas vezes, se jogar da janela do apartamento.

Ao mesmo tempo que Renata questionava a Deus sobre a razão de sua existência, pois, não via sentido algum para viver, ela recorda que fazia um pedido em especial para Ele. “Se Ele existisse de verdade que fizesse alguma coisa por mim, porque não dava mais para suportar a dor”, conta.

O desafio

Seu marido foi o primeiro a ir para a Igreja Universal devido aos problemas financeiros na empresa. Isso foi motivo de deboche por parte de Renata que o questionava por que, com tantas igrejas evangélicas, ele havia escolhido justo a Universal.

“Eu achava que não existia Deus na Igreja Universal porque eu entendia que era uma seita. Então, se era uma seita, não podia ter Deus ali dentro”.

No mesmo período, uma jovem que era membro da igreja começou a trabalhar com a advogada. Mesmo zombando da fé da jovem, Renata um dia pediu que ela a levasse até a igreja.

“Fui muito bem recebida, o Pastor teve toda a paciência do mundo comigo, todas as perguntas que eu fazia ele pegava a Bíblia e ia me mostrando”. Logo após o atendimento, o Pastor pediu que ela ficasse para a reunião, e ela aceitou.

Tudo a surpreendia; as orações, a mensagem. Até que no momento que ela mais criticava da reunião, ela foi desafiada.

Assista no vídeo abaixo qual foi o desafio que despertou a fé de Renata:

Verdadeiro Pai

Só é possível encontrar o sentido da vida quando se tem um encontro com Deus. Ao se tornar a morada do Espírito Santo, a pessoa encontra completa satisfação e a verdadeira realização.

Para isso, é necessário deixar o preconceito de lado e buscá-lO de todo o coração.

“Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” Jeremias 29.12,13

Participe de uma reunião em uma Igreja Universal mais próxima.


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro