Rede aleluia
“Eu estava me sentindo um nada até que ouvi que era preciosa para Deus”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de Outubro de 2021 - 00:05


“Eu estava me sentindo um nada até que ouvi que era preciosa para Deus”

O término do namoro fez Natasha se entregar aos sentimentos de tristeza. Ela encontrou, no Altar, a saída e a transformação de sua vida

“Eu estava me sentindo um nada até que ouvi que era preciosa para Deus”

Natasha de Camargo Villoslada Pinhatti, de 33 anos, começou a namorar Leandro Pinhatti, de 35 anos, na adolescência. Eles construíram o relacionamento influenciados pela ideia de amor que é apresentada em filmes e romances. “Nós namoramos por 11 anos e eu era emocionalmente dependente dele. Eu me baseava em novelas e no que era divulgado sobre artistas para aplicar no nosso relacionamento. Nós não tínhamos diálogo. Eu achava que ele adivinharia o que eu queria apenas por meio do olhar, o que não acontecia”, lembra Natasha.

Por falta de comunicação no relacionamento, ela passou a ter sentimentos de insegurança: “eu vivia perguntando se ele me amava ou se ele ficaria comigo. Eu fazia isso toda vez que nos víamos. Ele também não me passava segurança.

O tempo foi passando e eu ficava me questionando quando casaríamos e, como nada acontecia, toda aquela insegurança piorava. Eu via que ele estava mais focado na carreira, mas eu achava que um dia isso mudaria”.

Ela esperava ansiosamente por um pedido de casamento, mas foi surpreendida pela notícia do término do relacionamento. “Foi aí que o meu chão desabou, porque o que eu achava que era certo já não era mais. Eu, que sempre sonhei em ter uma família e em me casar, vi tudo desmoronar. A minha reação foi chorar constantemente”, comenta.

A vida perdida
Na tentativa de esquecer os 11 anos ao lado de Leandro, Natasha passou a sair com amigos para baladas. Ela saía para tentar se distrair. “Eu não me divertia, só chorava. Chorei na balada, no restaurante e em todos os lugares. Eu não tinha forças”, relembra.

O problema da vida amorosa atingiu também outras áreas: “eu sou enfermeira e lido com vidas. Então, na época, cheguei a comentar com a minha liderança que eu não estava bem. Na verdade, eu não conseguia pensar em mais nada além do término do namoro”. Ela conta que deixou até de comer e emagreceu sete quilos.

A nova vida
Se, nas baladas, Natasha não encontrou forças para superar seus problemas, nos conselhos da família isso foi possível: sua mãe lhe mostrou a oportunidade de renovar sua vida e a convidou para ir à Universal.

Natasha já conhecia a Igreja e decidiu buscar a paz que tanta falta lhe fazia. “Eu estava me sentindo um nada até que ouvi que eu era preciosa para Deus. Essa Palavra entrou em mim e decidi me lançar de cabeça. Era final de 2014 e cheguei bem durante um propósito de Fogueira Santa”, comenta.

O Propósito de Fé, conhecido por fazer verdadeiros milagres, foi apresentado a Natasha e ela entendeu a grandeza daquela chance: “eu pedi a Deus uma direção, porque eu não queria mais ser a mesma pessoa e, no fundo, não tinha nada a perder. Deus me fez entender que eu tinha tratado o Leandro como meu deus e que eu tinha que me desfazer desse sentimento. Então, para me entregar completamente a Deus, eu vendi tudo o que me fazia lembrar dele”.

Natasha manteve apenas os móveis do quarto, as roupas do trabalho e poucas roupas básicas: “eu me desfiz de tudo mesmo, inclusive das fotos, e, além do que era material, entreguei também todo o sentimento que eu tinha por ele”.

De fato, Natasha se entregou completamente a Deus e os sinais de mudança começaram a surgir em seu comportamento. Ela parou de chorar e sua insegurança deu lugar à certeza de que Deus era com ela, independentemente das circunstâncias. A transformação foi visível para os colegas de trabalho, os familiares e, inclusive, para o ex-namorado. Leandro diz que tentava enviar mensagens para ela e não tinha retorno, o que chamou sua atenção: “eu vi que tinha algo diferente e quis saber o que era. Nós saímos algumas vezes, conversamos e começamos a participar das reuniões na Universal juntos. Estávamos decididos a fazer o certo, primeiramente para com Deus e, por isso, logo nos batizamos e, pouco tempo depois, eu a pedi em casamento. Minha mentalidade mudou e Deus foi trabalhando em tudo. Vi que ela era a mulher que eu queria ao meu lado”.

Leandro afirma que priorizar a Deus fez toda a diferença e que eles nunca mais saíram do Altar. Os sacrifícios não se restringem à Fogueira Santa. Eles também acontecem diariamente quando deixam de pensar em seus benefícios pessoais para ter como objetivo agradar a Deus com a própria vida. “Por meio da Fé aprendemos o amor com propósito”, relata Leandro.

Segundo Natasha, olhar para trás hoje é como ver a mão do Próprio Deus cuidando de todos os detalhes: “eu fiz uma única oração pelo Leandro e pedi que ele estivesse transformado, caso cruzasse o meu caminho de novo, e foi o que aconteceu. Hoje não vivo com base no sentimento e consigo olhar para a frente. Sou muito feliz. Para nós, o Altar é indispensável e precisa estar sempre em primeiro lugar: é Ele quem transforma, quem nos dá a direção e com Ele
somos completos”.


“Eu estava me sentindo um nada até que ouvi que era preciosa para Deus”
  • Cinthia Cardoso / Foto: Demétrio Koch 


reportar erro