Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de abril de 2018 - 03:05


“Eu era muito agressiva com meus familiares”

Conheça a história de Graziele que chegou a traficar drogas e se prostituir

Raiva e indiferença. Esses eram os sentimentos que Graziele Soares Rodrigues, de 23 anos, nutria de seu pai. A jovem conta que a convivência com ele passou a ser difícil quando ela alcançou a adolescência e não tinha a permissão para brincar com outras crianças de sua idade. “Eu era muito agressiva com meus familiares. Especialmente com o meu pai, que não me deixava sair, me prendia dentro de casa e isso fez com que eu ficasse com mágoa dele”, lembra.

O tempo foi passando e Graziele começou a desencadear outros problemas. De jovem presa em casa, ela passou a ser conhecida por entrar em baladas com drogas escondidas. A princípio com substâncias de um amigo. A alta lucratividade, no entanto, encheu os olhos da jovem que também começou a traficar.

“O dinheiro passava pela minha mão. Vi que ele estava ganhando muito dinheiro, então comecei a entrar com a droga dele e a minha também”, recorda a jovem que também se prostituía para satisfazer seus prazeres.

Ainda submersa no mundo das drogas, Graziele conheceu seu atual marido, Mattheus Marques. Mas, como em todas as outras áreas, a vida amorosa também foi marcada por problemas como traições e desconfianças.

Porém, foi em decorrência desse relacionamento conturbado e pela situação deprimente que ambos viviam que Graziele e seu esposo tiveram a oportunidade de mudar de vida. Isso porque foi a mãe de Matheus que convidou o casal para participar de uma das reuniões da Universal.

“Meu marido estava internado, tinha acabado de ter uma overdose. A mãe dele nos convidou, e decidimos aceitar o convite”, recorda a jovem. Ela também lembra que, durante seis meses, foram apenas meros frequentadores de igreja, sem colocar em prática os ensinamentos.

“Estávamos na Igreja, mas eu fazia dele o ‘sol do meu planeta’, por isso, não conseguia pegar firme com Deus. Ele seguia na caminhada da fé, mas eu continuava na mesma vida. Então, um dia, decidi me batizar e começar a fazer as coisas diferentes. Foi quando a minha vida mudou”.

Colocando em prática o que aprendiam, Graziele e Matheus se casaram e hoje desfrutam de uma vida diferente da que viviam antes. “Eu sou outra pessoa. Sou feliz e realizada. Trabalho na área que sempre quis trabalhar (administração de empresas), tenho um marido que me respeita, o que nunca achei que teria. Não tenho mais ódio dos meus pais, ao contrário, sou amiga deles, não tenho mais mágoas e tenho paz de verdade”, finaliza a jovem.

Se você deseja obter uma mudança de vida, assim como Graziele e o marido alcançaram, participe hoje mesmo de uma reunião em uma Universal mais próxima de você. Os endereços você pode encontrar aqui.


  • Por Rafaela Dias / Fotos: Arquivo Pessoal 


reportar erro