Rede aleluia
“Eu achava que o bispo Macedo era chefe de facção”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de outubro de 2020 - 00:05


“Eu achava que o bispo Macedo era chefe de facção”

Regiane Rossi nutria preconceito contra a Universal, mas sabia que só lá alcançaria a paz desejada

“Eu achava que o bispo Macedo era chefe de facção”

Regiane Rossi, de 43 anos, formada em administração de empresas e pós-graduada na mesma área, conta que assistia à programação da Igreja Universal e observava como a mídia falava mal do trabalho da Igreja. “Eu tinha muito preconceito, achava que eram um bando de Zé Povinho, que o bispo Macedo era chefe de facção, que lá eles tiravam o dinheiro das pessoas”, contou.

Ela nutria raiva pelo Bispo Macedo e sempre o insultava em conversas com amigos e familiares. Quando as concentrações nos estádios eram realizadas, ela achava que era para tirar dinheiro das pessoas.

A vida de Regiane sempre foi de muito estudo e dedicação à profissão, mas tudo que ela conquistava na área profissional ela perdia. Ela achava que seus estudos e idiomas poderiam lhe trazer paz, mas sabia que faltava algo para que sua felicidade fosse completa de fato.

Regiane se dedicava, mas não conquistava o sucesso almejado. Sua vida amorosa era um fracasso e ela não dormia em paz. Era ansiosa e desenvolveu depressão. A mãe de Regiane frequentava a Universal e a convidava para as reuniões, mas o preconceito a impedia de conhecer a Igreja.

A situação chegou ao limite quando Regiane chegou em casa, sentou em frente ao fogão, ligou e gás e ali ficou. Uma vizinha sentiu o cheiro de gás e foi verificar o que estava acontecendo. “Minha vizinha chegou, disse que o cheiro estava forte. Eu pensei: ‘não posso nem morrer em paz’”, relatou Regiane.

A vizinha falou de Jesus para Regiane, que resolveu, finalmente, conhecer o trabalho da Igreja. E ela não se arrependeu. “Eu passei a praticar e obedecer tudo o que o pastor falava. Quando recebi o Espírito Santo, minha vida mudou”, recordou.

Hoje, Regiane é casada, tem uma filha, tem um bom emprego, investe no mercado de ações e tem conquistado as bênçãos de Deus por meio da Fé.

“Eu agradeço imensamente a Deus e ao Bispo Macedo. Eu o admiro, pois sei o quanto vale ganhar uma alma”, finaliza.


“Eu achava que o bispo Macedo era chefe de facção”
  • Kaline Tascin / Foto: Getty Images 


reportar erro