Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de agosto de 2018 - 00:05


Estudo das Escolhas Certas

Essa palestra é baseada no livro “O Ouro e o Altar”, que traz reflexões do Bispo Edir Macedo inspiradas pelo Espírito Santo

Aos domingos, às 18h, no Templo de Salomão, o Bispo Francisco Decothé realiza o “Estudo das Escolhas Certas” com base no livro “O Ouro e o Altar”. Confira no vídeo abaixo mais informações sobre essa palestra:

“Os chamados mestres da lei”
No encontro ocorrido no dia 19 de agosto último, o Bispo Francisco abordou um trecho do capítulo “Os chamados mestres da lei”.
Essa parte do livro falava a respeito dos escribas de Israel. Na época do Senhor Jesus, eles eram os únicos que podiam ter acesso ao Texto Sagrado, porque faziam cópias dessas mensagens. Com o tempo, eles decoravam o que estava escrito. Por causa disso, os escribas acreditavam que tinham o direito de julgar o povo. Porém, eles eram tão pecadores quando qualquer outra pessoa.
Para exemplificar esse mau comportamento dos escribas, o Bispo Francisco citou uma passagem bíblica:
“E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas.” Mateus 21.12
“Esses escribas liberavam as pessoas para fazerem comércio dentro da igreja. Aquele lugar, que era um Templo Sagrado, deixou de ser para a oração. As pessoas estavam dentro do Templo vendendo coisas. E os escribas e fariseus não se importavam”, observou o Bispo Francisco.
O palestrante ainda acrescentou que quando, nos dias de hoje, nós tratamos as coisas de Deus com irresponsabilidade e falta de respeito, estamos agindo igual àquele povo que o Senhor Jesus condenou. E a razão para esse comportamento equivocado é que as pessoas têm dificuldade em aceitar a disciplina Divina.
Após o sacrifício do Senhor Jesus na cruz, o Templo de Deus passou a ser a nossa própria vida (1 Coríntios 3.16-17). É por meio dela que O adoramos – acrescentou o Bispo Francisco.
Na Bíblia, o Senhor Jesus não tinha paciência com quem tinha um discurso bonito por fora, mas por dentro agia com malícia. Vemos em várias passagens bíblicas que Ele chamava atenção de publicanos, escribas e fariseus, por exemplo.
Naquele tempo, os “mestres da lei” ensinavam para o povo que o Altar não tinha valor. Porém, o Bispo Francisco alertou que eles estavam errados, pois é o Altar que nos santifica (Mateus 23.16).
Nos dias de hoje, esses “mestres da lei” são aquelas pessoas que um dia serviram no Altar, mas que – com o tempo – encheram-se de malícia e agora, afastados da Obra de Deus, contaminam as pessoas que estão dentro da igreja.
Quer saber como esse estudo continua?
Então, participe do “Estudo das Escolhas Certas”, no Templo de Salomão. Você também poderá acompanhar esse encontro em tempo real por meio do Univer Vídeo.
Adquira o livro “O Ouro e o Altar” pelo site Arca Center.


  • Daniel Cruz / Foto: Reprodução 


reportar erro