Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de novembro de 2018 - 09:28


Escola sem partido e partido com escola: é claro que pode

País deve seguir modelo alemão. Faculdade do PRB é democrática

O Partido Republicano Brasileiro (PRB) será o primeiro partido político no País a formar e administrar uma faculdade.
O Ministério da Educação, por meio da Portaria 783, de 16 de agosto de 2018, autorizou o credenciamento da Faculdade Republicana Brasileira. Sua gestão estará a cargo da fundação vinculada ao partido.
A novidade foi anunciada por mim na semana passada, em reunião com os presidentes estaduais do PRB, e logo ganhou as páginas da imprensa.
Como não poderia deixar de ser, o assunto gerou alguns questionamentos sobre a pertinência de um partido “ligado a uma igreja” (aspas dos jornalistas) obter tal credenciamento, sendo ele, ainda, a favor da Escola Sem Partido.
Antes de tudo, é conveniente registrar que a Faculdade Republicana não estará vinculada a igreja alguma, embora isso não seja nenhuma novidade no país.
As igrejas Católica (Pontifícia Universidade Católica), Metodista, Presbiteriana (Mackenzie) e Batista, por exemplo, já atuam na educação básica e superior há muitas décadas e são ótimas referências de ensino. Ninguém nega.
Sobre o eventual “conflito” entre um partido apoiar a Escola Sem Partido e administrar uma faculdade, há uma diferença significativa entre as duas coisas.
Listo aqui ao menos 4 circunstâncias que colocam ambas em lados antagônicos:
A Escola Sem Partido busca combater eventuais abusos cometidos por professores (não todos, claro), geralmente marxistas, contra crianças indefesas no âmbito da sala de aula. E não se trata de mordaça. A faculdade, no entanto, embora neste caso administrada por um partido, tende a ser um ambiente para o livre debate, contemplando todas as linhas ideológicas;
É obrigatório às crianças de 4 anos de idade serem devidamente matriculadas em alguma escola. Na faculdade não há nenhuma obrigatoriedade e se inscreve quem quer, de acordo com o interesse didático e disciplinar;
– Na escola, o professor exerce autoridade máxima, podendo transferir “verdades absolutas” que não correspondam com o desejo dos pais. Na faculdade, seja ela qual for, há espaço ao contraditório;
Na idade escolar, crianças ainda estão em formação cultural, psicológica, ideológica e moral, atribuição que é e sempre deve ser de responsabilidade da família. Na faculdade, o candidato em tese já passou dessa fase.
Em síntese, não existe sequer correlação de objetivos entre apoiar a Escola Sem Partido e um partido obter o credenciamento para gerir uma faculdade.
O PRB, neste aspecto, sai na frente com a Faculdade Republicana, formato inédito no Brasil, mas comum, por exemplo, na Alemanha.
Lá há pelo menos três universidades ligadas a fundações geridas por partidos políticos, de três linhas ideológicas distintas.
A mais antiga delas é a Fundação Friedrich-Ebert (FES). Ela surgiu em 1925 e recebe o nome do 1º presidente eleito democraticamente. Vinculada ao Partido Social Democrata Alemão (SPD), de centro-esquerda, a FES apoia projetos internacionais, inclusive no Brasil.
A universidade oferece bolsas para quem quer estudar temas ligados à instituição.
A Konrad Adenauer (KAS), ligada ao União Democrata-Cristã (CDU), partido da atual chanceler, Angela Merkel, é conhecida por financiar projetos e estudos voltados para a formação política da sociedade.
A instituição, que tem um escritório no Rio de Janeiro, também oferece diversas bolsas nas áreas de ciências sociais.
Por último, para me deter apenas nestes três exemplos, está a fundação Rosa Luxemburgo.
A universidade pertence ao partido da esquerda (Die Linke) e oferece apoio a pesquisas e estudos em publicações temáticas como gênero, questões agrárias, direitos humanos, transparência e democracia.
Como se vê, é fraca a tentativa de misturar as coisas e desqualificar a nobre iniciativa do PRB e da Fundação Republicana Brasileira (FRB), entidade essa já elogiada, inclusive pelo Ministério Público, por manter cursos de política e língua estrangeira de graça para mais de 20 mil alunos, sejam presenciais ou à distância.
A Faculdade Republicana começará a funcionar no segundo semestre do ano que vem, em Brasília, mas nós já estamos estudando formas de expandi-la para outras regiões do Brasil.
Num país democrático como o nosso, essa atitude deveria ser comemorada, não criticada. Um dia, quem sabe, alcançaremos a maturidade política alemã.
(*) Marcos Pereira tem 46 anos, é advogado, professor de Direito, presidente nacional do PRB, deputado federal eleito por São Paulo e ex-ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços


  • Marcos Pereira (*) / Foto: Reprodução Fundação Republicana Brasileira 


reportar erro