Rede aleluia
Escola de Mães: Onde foi que eu errei?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de setembro de 2020 - 22:56


Escola de Mães: Onde foi que eu errei?

Esse foi o tema da reunião mensal de setembro. Assista no Univer Vídeo

Escola de Mães: Onde foi que eu errei?

Para que os pais desenvolvam um bom relacionamento com os filhos é fundamental que tenham maturidade para lidar com os conflitos que surgem na convivência diária e se acentuam, especialmente, na fase da adolescência.

Contudo, isso nem sempre acontece, daí a razão pela qual muitos conflitos familiares, que poderiam ser resolvidos com uma dose extra de paciência e muito diálogo, acabam fugindo do controle e intensificando, ainda mais, o mau comportamento do filho.

De acordo com a psicóloga Neia Dutra, responsável pela Escola de Mães, quanto mais a pessoa estiver mergulhada no problema, mais terá dificuldade de encontrar a saída. Portanto, para que consiga enxergar a situação como um todo, precisa se distanciar. Só assim poderá ter um panorama real da situação e tomar a melhor decisão.

Segundo ela, a solução está na mudança de posição. A exemplo de quando olhamos uma pintura em um quadro. Quando estamos muito próximos dele, não conseguimos ver a imagem com nitidez, mas quando recuamos e tomamos uma certa distância, conseguimos visualizá-lo com clareza.

Pais, avaliem suas atitudes

“Quando você recua, muda o seu olhar, muda a sua perspectiva, olha por outro ângulo. Ou seja, você tem um novo olhar sobre a mesma situação”, diz.

Neia destaca que, muitas vezes, os pais só conseguem enxergar o mau comportamento do filho e se esquecem de avaliar se suas atitudes não estão, de alguma forma, contribuindo para que o filho se comporte dessa maneira.

“Porque é fácil a gente ver sempre o erro fora, [ou seja], o erro nos outros. Difícil é a gente fazer essa introspecção, olhar para dentro e questionar: o que eu estou fazendo para provocar essa situação? Porque, talvez, você pense que o seu filho está agindo, quando, na verdade, ele está reagindo a uma ação sua. Por que será que ele fica mais à vontade na casa do amigo do que em casa?”, pergunta Neia, levando os pais a uma autorreflexão.

Segundo ela, quando os pais avaliam as próprias atitudes e definem o que podem fazer para melhorar, mostram maturidade. Ou, que, pelo menos, estão trabalhando nesse sentido. Outro sinal de maturidade é não se desesperar ao perceber que estão falhando.

Onde foi que eu errei?

“Muitos pais, quando olham os filhos e percebem que aquilo que eles projetaram para o filho não aconteceu, começam a condenar e muitos até a rejeitar o filho. Isso é uma atitude imatura. Aí você acaba questionando: ‘onde foi que eu errei?’; ‘o que eu fiz para merecer isso?’; ‘não foi para isso que eu criei o meu filho!’”

Para responder a essas perguntas, a psicóloga citou a história de Jessé, pai de Davi.

Embora a Bíblia não mencione, ela acredita que Jessé, também, fazia esse tipo de questionamento em relação a Davi. Afinal, todos os seus outros filhos eram guerreiros, que pertenciam ao exército do Rei Saul, enquanto Davi não passava de um pacato pastor de ovelhas.

A Bíblia mostra que Jessé rejeitou Davi, quando o profeta Samuel foi até a casa dele para consagrar um de seus filhos a Rei de Israel e ele trouxe à presença do profeta todos os seus filhos, exceto a Davi. Ou seja, aos olhos de Jessé, Davi não tinha o perfil de um guerreiro e tampouco de um rei.

“Às vezes, você, mãe, pai, faz isso com seu filho. Fica o comparando com o irmão, o primo, o amigo, e rejeitando o seu filho. De repente, o seu filho é um escolhido de Deus, um futuro homem ou futura mulher de Deus, e esse comportamento desajustado dele(a) atualmente, vai servir de testemunho do antes e depois”, observa Neia.

Deus está ouvindo as suas orações. Creia!

Infelizmente, muitos pais acabam desistindo de seguir as orientações, porque alegam já terem tentado de tudo e nada mudou. Então, pensam que Deus não está ouvindo suas orações. Mas, você precisa crer que Deus está ouvindo cada clamor seu e está trabalhando para, de forma sobrenatural, atender todas as suas necessidades.

“Jessé, por exemplo, nem em seus melhores e maiores sonhos imaginou que aquele pastor de ovelhas que carregava um cajado nas mãos seria o homem mais forte, o guerreiro mais apto do exército de Israel, seria o rei de Israel e, sobretudo, seria o homem segundo o coração de Deus. Jessé não imaginava isso quando deixou Davi lá no campo e só apresentou a Samuel os demais filhos guerreiros”.

Maturidade emocional e espiritual

Portanto, você precisa ter maturidade emocional para:

Compreender – Os pais precisam ter maturidade para compreender as imaturidades dos filhos. Não tenha o hábito de demonizar tudo. Às vezes, uma ação errada do seu filho você já atribui ao diabo, quando, na verdade, é apenas falta de orientação, então, oriente.

Reconhecer – Reconheça os erros que comete com seu filho. Muitos pais têm uma enorme dificuldade em pedir perdão ao filho. Você pode e precisa fazer isso!

Ter coragem –  Coragem para, depois de reconhecer alguns erros que cometeu na criação dos filhos, pedir perdão e mudar de atitude.

Além disso, precisa ter maturidade espiritual para confiar em Deus, mesmo quando seus olhos não veem o resultado que gostaria. Às vezes, o que você vê é justamente o oposto do que espera, mas precisa dessa maturidade espiritual para crer que Deus vai fazer.

Como desenvolver maturidade emocional?
Veja abaixo algumas dicas:

Saiba ouvir: Não se apresse em falar ou tomar decisões quando alguém, ou principalmente, seu filho for falar contigo.

Aprenda a se controlar: Não deixe que as emoções negativas, como medo ou a raiva, controlem seus pensamentos e, por consequência, seu comportamento.

Assuma suas responsabilidades: Isso inclui reconhecer erros cometidos na criação dos filhos, pedir desculpas e, a partir daí, ter novas atitudes.

Para assistir essa e outras palestras da Escola de Mães, acesse Univer Vídeo.


Escola de Mães: Onde foi que eu errei?
  • Jeane Vidal / Foto: Getty Images 


reportar erro