Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de novembro de 2018 - 01:49


Enem 2018: Bolsonaro critica questão de prova

Pais também se revoltam com conteúdo. Entenda

No último domingo (4), mais de quatro milhões de estudantes brasileiros participaram do primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

Como acontece todos os anos, as perguntas tiveram fortes tons ideológicos. Mas nesta edição algumas chamaram atenção dos candidatos. No caderno de Linguagens, uma questão abordou um dialeto secreto de gays e travestis chamado de Pajubá. Era preciso que os candidatos interpretassem o que estava escrito.

Outra pergunta que gerou polêmica citava um trecho do conto “Vó, a senhora é lésbica?”, que aborda uma adolescente homossexual que descobre que a avó compartilha da mesma opção sexual.

Enem: influenciando jovens há anos

Em entrevista ao programa “Brasil Notícias”, exibido pela Rede Aleluia e Rádio Record, o professor Felipe Nery esclarece que todos devem respeitar o próximo, independentemente de sua escolha sexual. O problema em questão não está na sexualidade de cada um, mas na intenção de incentivar a discussão desse tema entre os jovens. Isso porque o objetivo da prova deveria ser apenas testar o conhecimento do aluno em Língua Portuguesa.

“Questões como essas que caíram na prova não têm o intuito de falar sobre preconceito, discriminação ou gerar tolerância. O objetivo dos organismos que trabalham no Brasil há longa data e parasitaram o sistema educacional é formatar a mente dos jovens contra a própria família.”

As críticas de Jair Bolsonaro

Nesta semana o presidente eleito Jair Bolsonaro disse que há doutrinação no ENEM. Ele negou que pretenda acabar com o exame. Mas afirmou que seu governo não vai ficar divagando sobre questões menores.

Bolsonaro disse ainda que o ENEM deveria cobrar conhecimentos úteis para a sociedade em vez de tratar de assuntos que possam influenciar os jovens futuramente. O professor Felipe Nery concorda e ressalta que a maioria dos estudantes chega ao Ensino Médio sem ao menos saber interpretar um texto.

“Pouco mais de um mês atrás, o ministro da Educação Rossieli Soares disse que o Ensino Médio no Brasil faliu. A cada dez jovens, sete têm problemas significativos em Português e Matemática. Ou seja: jovens não conseguem interpretar texto. É um problema muito grave. Então essa é a Educação brasileira.  Não apenas no ensino público, mas de um modo geral.”

Pais desaprovam questões

Revoltada, Elisa Melo Fernandes (41), costureira, mãe do aluno Guilherme Cunha Fernandes (16) diz que é uma entre muitos pais que não concordaram com a linha de abordagem da prova:

“Quem me mostrou a prova foi meu próprio filho. O assunto que mais me deixou indignada foi a insistência na questão de preferência sexual. Isso é um assunto íntimo. Como mãe eu pergunto: quem autorizou a falar disso com meus filhos?”

Ela afirma que “ninguém está falando do assunto homossexualidade em si, mas de ter colocado um assunto que é irrelevante do ponto de vista educacional, pois não é cobrado em estudo. O estudo em si está sendo deixado de lado. O Brasil está sempre nas piores colocações nos rankings mundiais de educação. E aqui dialeto gay é mencionado na prova. Ainda foi mencionado que é um ‘dialeto secreto’. Eu pergunto: Qual a obrigação de um aluno hétero então saber desse dialeto, se ele é secreto dos gays? Eu, como mãe, me preocupo muito”.

O futuro da Educação

O professor Felipe Nery conclui que a Educação é essencial para a formação do ser humano e, por isso, olhar para essa área com atenção será um dos grandes desafios do próximo governo:

“Diante das questões tão polêmicas da prova temos que ressaltar que a Educação brasileira está em crise já de longa data. E por isso, com esperança, acreditamos que esses desafios podem ser transformados no próximo governo”.

O segundo dia de provas será neste domingo, 11 de novembro. Os portões abrem às 12h (horário de Brasília) e fecha pontualmente às 13h. Não há tolerância para atrasos. Nesta etapa os estudantes responderão questões de Ciências da Natureza e Matemática.

(*) Reportagem do Brasil Notícias, programa apresentado por Ana Carolina Cury e Decio Caramigo, veiculado na Rádio Record e Rede Aleluia


  • Redação Brasil Notícias (*) / Fotos: Marcelo-Camargo da Agência Brasil e reprodução 


reportar erro