Rede aleluia
Eleições 2022: pautas essenciais para o Brasil
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de Julho de 2022 - 00:05


Eleições 2022: pautas essenciais para o Brasil

Eleger um representante político é dar a ele o apoio quanto a decisões que vão afetar toda a sociedade. Então, é preciso verificar as propostas e ideais dele

Eleições 2022: pautas essenciais para o Brasil

O que uma pessoa precisa para viver bem? De modo geral é possível citar educação de qualidade, saúde, emprego, segurança e liberdade para expressar sua opinião, entre outros fatores. Poucas pessoas afirmam que precisam da política, mas a verdade é que tudo que promove melhor qualidade de vida à população depende dela.

A palavra política vem do grego politikos e, entre seus significados, estão a “arte ou ciência de governar” e “arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados”. A política está em todos os lugares, inclusive dentro de casa, afinal é preciso organização, direção e administração para manter o bom convívio.

Em termos de sociedade, os eleitos pelo povo são responsáveis por sugerir leis e aprovar medidas que farão bem às pessoas e também são encarregados de impedir que regras prejudiciais sejam impostas. Quando uma pessoa é eleita, ela tem o poder de interferir no andamento da sociedade de acordo com seu próprio entendimento de “bom” ou “ruim”. Daí a importância de analisar bem o perfil e as ideologias defendidas pelo candidato antes de dar o voto a ele. Afinal, o voto é uma espécie de procuração que permitirá a alguém agir em seu nome.

O Bispo Alessandro Paschoall, responsável pelo Grupo Arimateia, que leva conscientização política à população, afirma que “a política está diretamente ligada à vida de cada cidadão. O salário-mínimo, por exemplo, é definido pela política, bem como o que as crianças aprendem na escola e o preço dos alimentos e de outros itens essenciais. Vimos recentemente essa questão na prática com a lei que fixou o teto do ICMS, que levou à queda no preço dos combustíveis. Gostando ou não de política, ela interfere na nossa vida e, por isso, devemos participar para escolher pessoas que tenham os mesmos valores e ideais que os nossos”. atenção a essas pautas

Inúmeros assuntos precisam ser analisados com atenção pelos eleitores, mas, entre eles há prioridades:

É preciso verificar os planos de cada candidato para essa área porque ela influencia na construção da sociedade do futuro. A escola deve ser vista como um local seguro, onde as crianças e adolescentes aprendem, se desenvolvem como cidadãos e se preparam para a vida adulta.

É necessário entender que, além de oferecer benefícios, os parlamentares precisam apresentar propostas para que a economia brasileira cresça. E isso passa, entre outros aspectos, por corte de impostos, uma possível reforma tributária e incentivo ao empreendedorismo e à empregabilidade e por estratégias para superar a falta de insumos e materiais em razão da crise de abastecimento global. Benefícios são bons, mas estimular o crescimento econômico do país por meio do emprego e da abertura de empresas é ainda mais eficiente.

Essa é uma pauta capaz de definir as eleições deste ano. Isso porque, enquanto conservadores lutam para manter a instituição intacta, como descrito na Palavra de Deus, alguns que se dizem “progressistas” buscam desmoralizar a família. “Devemos observar quais projetos cada candidato tem para a família e para os cristãos. Vemos muitos projetos progressistas avançando nas Casas Legislativas e, por isso, precisamos de representantes cristãos”, diz o Bispo.

Enquanto o brasileiro sofre com a violência no dia a dia, há parlamentares que propõem uma espécie de “permissão” para o crime, relacionando-o ao valor material envolvido ou à “necessidade” que o réu teve de praticar o crime. Na verdade, “afrouxar” a lei não trará benefícios. A solução passa pelo investimento em educação, empregabilidade e, a quem cometeu crimes, à justa punição, e, acima de tudo, o combate severo à impunidade.

Muitos candidatos afirmam que defendem a liberdade religiosa, mas a pandemia mostrou que nem todos agem de acordo com isso. No momento em que igrejas auxiliavam materialmente e espiritualmente o povo, parlamentares e chefes de Executivo defenderam o fechamento delas, o que impossibilitou as pessoas de exercerem sua fé livremente. Outros projetos também atacam a fé da população, inclusive a fé cristã, mas não fazem isso explicitamente. Por isso, o eleitor precisa prestar atenção não apenas ao que o candidato fala, mas também em como ele age e em seus valores.

A Importância dos ideais
Essas são algumas pautas às quais o cristão deve ficar atento, mas outras são importantes e devem ganhar destaque nas campanhas eleitorais, como saúde, combate à corrupção e liberdade de expressão.

Neste ano, os olhos da maioria da população estão voltados a quem será o próximo presidente. Essa definição é de extrema importância, pois impacta desde decisões econômicas até quais serão os próximos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a autoridade máxima do Poder Judiciário brasileiro. Mas não se deve desvalorizar a eleição para o Legislativo. Deputados e senadores são responsáveis por criar, aprovar e vetar leis e, inclusive, podem reverter uma decisão presidencial. Cada eleito governará seguindo o que acredita. Assim, é preciso pesquisar a fundo cada candidato para fazer valer o seu voto. “A urna é o lugar onde pobres, ricos, estudiosos e leigos têm o mesmo poder de escolha. O voto é um poder grande demais para ser entregue a qualquer candidato.

Então, é fundamental fazer uma boa escolha”, destaca o Bispo.

Infelizmente, há quem veja o período eleitoral como uma oportunidade de ganhar algo de um candidato e venda seu voto. Esses até acham que foram beneficiados, mas colherão as consequências da má escolha no futuro. “Candidatos mau-caráter costumam se aproveitar da necessidade das pessoas. Eles prometem cestas básicas, asfaltar ruas e até mesmo valores para comprar votos. Se o candidato já mostra que é corrupto agora, imagine quando for eleito. Esse tipo de benefício resolve a situação por alguns dias, mas o voto trará consequências por até mais do que quatro anos”, diz o Bispo. Neste ano, seja sábio, pesquise e não se venda. A mudança começa com você.


Eleições 2022: pautas essenciais para o Brasil
  • Redação / Foto: getty images 


reportar erro