Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de outubro de 2018 - 12:52


Eleições 2018: Renovação no legislativo é a maior desde 1989

Saiba como ficam as casas legislativas a partir de 2019

As eleições 2018 mostraram que o brasileiro precisa e quer renovar seus representantes políticos. Se na disputa à Presidência dois candidatos que nunca haviam disputado o cargo foram para o segundo turno, nos cargos legislativos a busca por renovação também mostrou sua força.

Para o Senado, por exemplo, os grandes partidos perderam cadeiras, abrindo espaço para outros que até então tinham pouca voz na casa.

Das 54 vagas disponíveis, 46 serão ocupadas por novos nomes. Dos 32 senadores que tentaram reeleição apenas oito conseguiram. Essa foi a maior renovação do Senado desde a redemocratização brasileira, em 1989.

Contando com um terço dos senadores eleitos em 2014 que cumprem mandato até 2018, a casa fica da seguinte maneira:

* O senador José Reguffe foi eleito pelo PDT, mas se desvinculou do partido e deve seguir apartidário até o fim de seu mandato, em 2022

Câmara dos Deputados também terá mudanças

Outro cargo político que terá o maior número de novos representantes desde a redemocratização é o de Deputado Federal. Mais da metade dos eleitos para 2019 não exercem o cargo atualmente, totalizando 52% de novos representantes.

Nessa câmara os grandes partidos de centro, como MDB e PSDB, também encolheram. Em contrapartida, a polarização de ideias se tornou mais clara, sendo que deputados abertamente direitistas ou esquerdistas assumiram mais cadeiras: 240, sendo 120 para cada lado.

A casa conta com 513 deputados, sendo que os dois candidatos à Presidência da República têm em seus partidos as maiores bancadas da Câmara: o PT elegeu 56 deputados e o PSL 52. Ou seja: quem for eleito terá um grande apoio, mas também uma grande oposição.

O diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) Antônio Augusto Queiroz afirma: “A partir de fevereiro, o novo Congresso terá que sentar e dialogar com o novo presidente. E esse diálogo vai ser mediado sem dúvida nenhuma pelo centro. Porque sem o apoio do centro nenhum candidato que venha a ser eleito conseguirá governar”.

Veja nos gráficos abaixo os partidos que terão mais representantes na Câmara a partir do ano que vem.


  • Andre Batista / Imagem: Valter Campanato / Agência Brasil 


reportar erro