Rede aleluia

Notícias | 11 de junho de 2018 - 03:00


Ele trocou a rotina conturbada por uma vida de paz e alegria

Confira a trajetória de Paulo da Fonseca, que saiu de casa aos 13 anos, usou drogas e cometeu diversas infrações

O padeiro Paulo da Fonseca, de 19 anos, frequentou a Universal quando ainda era bebê, ao lado da mãe. Mas eles se afastaram, apesar das dificuldades que enfrentavam. A mãe era ausente, pois precisava trabalhar bastante para manter a casa. Além disso, Paulo não tinha nenhuma referência paterna.Isso fez dele um adolescente insatisfeito e revoltado.

Aos 13 anos, ele decidiu sair de casa para morar com um colega. Começou a consumir bebidas alcoólicas, fumar cigarro e usar outras drogas. “Eu furtava os mercados, mas fui crescendo e passei a roubar residências, motos e carros.”

Aos 15 anos, ele foi morar com uma garota, mas o relacionamento era cheio de problemas. Nesse período, ele foi apreendido pela polícia por cometer um assalto, mas logo foi solto, pois era réu primário.

Paulo chegou ao fundo do poço quando descobriu que estava sendo traído pela companheira. “No mundo da malandragem, a traição é algo inaceitável. Eu ficava pensando dia e noite em tirar a vida dela e da outra pessoa. Cheguei a ameaçar o rapaz de morte. Eu me afundei ainda mais nas drogas, comecei a cheirar cocaína com mais intensidade”, diz.

Mudança

A avó dele frequentava a Universal e convidou-o para acompanhá-la até a Igreja. Foi quando tudo começou a mudar. “Eu fui na reunião por obediência à minha avó. Quando ouvi o que o bispo estava dizendo, senti vontade de conhecer a Deus.”

Naquele dia, ele passou a ter forças para largar as más amizades, deixar as drogas e buscar novos rumos para a própria vida. Por meio de propósitos e orações, ele foi liberto dos vícios e largou tudo o que fazia de errado.

“A minha vontade de mudar só aumentou, até porque as pessoas que eu encontrei na Universal me acolheram. Elas não me julgaram”, relata.

Para, finalmente, encontrar a paz, Paulo precisava tomar mais uma atitude. “Eu precisava perdoar o rapaz que ameacei de morte. Fui até ele, que tentou fugir. Eu disse que não lhe faria mal algum, mas queria pedir perdão. Ele aceitou. Passei a ter paz.”

Hoje, Paulo tem uma vida transformada e encontrou em Deus tudo o que precisava.


  • Por Michele Francisco / Foto: Cedida  



reportar erro