Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de março de 2020 - 00:48


Ele precisava saber o que acontecia dentro da Universal

Diante de tantas notícias falsas sobre a Igreja, isso foi o que motivou o vendedor Antonio Carlos a entrar, pela primeira vez, em um templo. Saiba o que ele descobriu

Assim como muitos que acreditavam nas notícias falsas espalhadas pela mídia a respeito da Universal, o vendedor Antonio Carlos, de 44 anos, também achava que a instituição era uma máfia. Para ele, todos os pastores eram ladrões, que se aproveitavam das pessoas.

E, quanto ao Bispo Edir Macedo, ele acreditava que era um charlatão. “Aquelas curas que eram feitas lá, para mim, eram encenação; e as pessoas que iam lá não eram curadas coisa nenhuma!”, pensava Antonio.

Segundo conta, ele nutria uma revolta pelas pessoas, porque de acordo com a mídia, elas estavam sendo enganadas e não percebiam isso.

A verdade faz pensar

Na época, o vendedor estava desempregado, vivendo, como ele mesmo diz, “em uma miséria tremenda”. Tinha desejo de suicídio, era depressivo e viciado em bebidas alcoólicas.

Porém, mesmo precisando de ajuda, mantinha-se cheio de preconceito no tocante à fé. “Eu criticava as pessoas que estavam indo e se sentindo bem, mas a minha vida era um total fracasso”, recorda.

No entanto, sua mãe, que era membro da Universal, nunca deixou de crer que veria na vida do filho a mesma mudança que havia recebido em sua vida. E Antonio conta que essa era a maior indignação dele: ver em sua própria casa, alguém do grupo de pessoas que ele tanto criticava. “Ela fazia propósitos de oração por mim, levava fotos e peças de roupas minhas e apresentava a Deus”.

Até que um dia, diante da situação em que vivia, Antonio começou a questionar se, realmente, só ele estava certo e toda aquela multidão, incluindo sua própria mãe, estava errada.

Foi quando decidiu saber o que acontecia dentro da Universal: “Eu preciso saber o que acontece lá dentro”, pensou, pois, até então, tudo o que ele achava que sabia a respeito era apenas de “ouvir falar.”

Assista no vídeo abaixo a história completa de Antonio e saiba como ele está hoje:

 


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro