Rede aleluia
Ele não falava nem movimentava o braço e a mão
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de novembro de 2020 - 00:05


Ele não falava nem movimentava o braço e a mão

O poder transformador da Fé livrou Waldir Dias das complicações do AVC isquêmico

Ele não falava nem movimentava o braço e a mão

Imagine uma pessoa ativa, que trabalha desde a adolescência, acorda diariamente cedo, que é benquista, que dá conselhos, mas, que, de repente, vê tudo isso subtraído de uma única vez. Essa foi a situação pela qual passou o motorista Waldir Marques Dias, de 60 anos.

Ele não falava nem movimentava o braço e a mão

Casado com a assistente administrativa aposentada Maria José Dias, de 59 anos, e pai de três filhos, ele e sua família tiveram que enfrentar um problema inesperado.

O episódio ocorreu em novembro de 2019, quando Waldir tinha ido a um hospital, na zona leste da capital paulista, para buscar uma senhora e sua filha pequena que estavam sendo atendidas lá. “Ele parou o veículo em frente ao local para esperar as duas. A menina entrou no carro e ele foi colocar o cinto de segurança nela. A mãe precisou voltar à recepção para pegar um documento que tinha esquecido. Quando ela retornou ao carro, encontrou meu marido desmaiado”, diz Maria José.

A mãe da menina pediu socorro para Waldir. “Como ele estava com o crachá, pegaram os dados para dar entrada no hospital e eu logo recebi uma ligação em que me chamavam para ir ao local. Preocupada com o que tinha acontecido, eu já peguei o lenço consagrado na Universal e comecei a orar. No caminho fui determinando a cura dele. Fui com um dos nossos filhos e encontramos minha filha lá”, diz.

Quando chegaram, Waldir estava na sala de emergência. “Os médicos nos contaram que ele teve um AVC isquêmico severo e nos deram cinco minutos para vê-lo. Ele não falava e também não conseguia mexer o braço e a mão direita. Os médicos disseram que nos preparássemos porque meu marido teria grandes sequelas. Meu filho se pôs a orar imediatamente”, relata.

Depois, Waldir foi transferido para outro hospital. “Na UTI ele estava controlado, mas, cada vez que chegava um filho para vê-lo, tudo se desregulava. A agonia dele era grande porque ele tentava falar, mas a voz não saía. Os médicos eram obrigados a aplicar um calmante nele. Depois de sete dias, Waldir recebeu alta e voltou para casa. Ele já falava algumas palavras, mas, 20 dias depois, teve outra crise nos meus braços. Eu não tinha força para levantá-lo e socorrê-lo, mas conseguimos levá-lo ao hospital e ele foi internado novamente”, relembra.

Ele não falava nem movimentava o braço e a mão

Maria José conta que foram momentos de desespero. Os médicos tiveram dificuldade para chegar ao diagnóstico e depois disseram que ele teve uma convulsão em consequência do AVC que tinha sofrido. “Como eles não sabiam dizer a extensão do problema dele, eu me apegava com Deus e a minha mente ficava forte. Foram cinco dias na UTI. Durante todo esse tempo, meus filhos e eu nunca deixamos de orar. Estamos na Universal há 26 anos e o pastor da Igreja que frequentamos, na Freguesia do Ó, na zona norte de São Paulo, organizou uma corrente de oração para a recuperação do meu marido e todos na Igreja participaram”, revela.

Quando ele teve alta, a busca pela cura continuou. “Os obreiros vieram visitá-lo em casa várias vezes. Eu continuei orando, usando o lenço ungido e também participava da Corrente dos 70, no Templo de Salomão, o que revigorava a minha Fé. Até hoje meu marido é acompanhado por neurologista, fisioterapeuta e fonoaudióloga. A voz dele voltou e ele recuperou os movimentos. A cura não foi imediata, mas tenho certeza que Deus iluminou todos os tratamentos, mesmo quando os médicos não nos davam perspectivas de cura”, dispara Maria José.

Waldir avalia que é um privilégio poder falar dos livramentos que recebeu. “A minha Fé foi renovada. Foi por meio da oração que Deus ouviu meu clamor e me curou. Eu poderia ter causado a morte de outras pessoas se estivesse dirigindo. Dou o testemunho da minha transformação para que outras pessoas percebam que Deus é muito grande e que o que Ele fez comigo quer fazer com todos”, conclui.

Cura total pela fé

Milhares de pessoas buscam a cura total pela fé para as suas enfermidades e de seus familiares. Pois, para Deus nada é impossível. Por isso, semanalmente, participam da reunião da “Corrente dos 70”. Nela, têm feito uso do lenço consagrado para alcançar o milagre.

Você também quer alcançar a libertação dos problemas que têm atormentado a sua saúde ou a de um ente querido? Compareça às reuniões que acontecem todas as terças-feiras, às 10h, 15h e 20h, no Templo de Salomão, na Avenida Celso Garcia, 605, no Brás, zona leste de São Paulo.

Para mais informações em sua localidade, encontre o endereço de um templo da Universal mais perto da sua casa.


Ele não falava nem movimentava o braço e a mão
  • Eduardo Prestes / Foto: Arquivo pessoal e Guilherme Branco 


reportar erro