Rede aleluia
Ele ganhou a verdadeira liberdade
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de Setembro de 2022 - 00:05


Ele ganhou a verdadeira liberdade

Cesar de Oliveira ficou oito anos preso, em razão de uma vida de prática de crimes. Veja como a história dele mudou

Ele ganhou a verdadeira liberdade

Desde criança, o maior desejo do construtor civil Cesar de Oliveira, de 51 anos, era encontrar paz em sua vida, já que sua infância foi marcada por problemas familiares. “Convivi anos com um homem que achava que fosse meu pai, mas, aos 10 anos, descobri que não era seu filho biológico. Sem saber lidar com a decepção, me revoltei contra tudo e contra todos”, lembra.

Sua família era muito simples e ele passou por várias dificuldades financeiras, além dos vícios presentes em sua casa. Assim, Cesar se tornou um jovem revoltado e indignado com tudo que vivia.

Na adolescência, ele conheceu as drogas, o que abriu as portas para que o crime também fizesse parte de sua história. “Comecei com o cigarro e a cocaína e depois, buscando por mais, conheci outras drogas. Passei a fazer pequenos furtos em mercados, até que cheguei ao tráfico de drogas.”

Apesar da vida errante, o alvo de Cesar era ter felicidade e paz em seu interior. Ele procurava a chance de ter um pouco de alegria em relacionamentos amorosos, mas suas frustrações só aumentavam. “A minha vida amorosa estava totalmente destruída e eu não conseguia estabelecer uma conexão com ninguém. Em um desses relacionamentos fracassados, tive dois filhos que, ao crescerem, também se tornaram problemáticos”, diz.

A cada dia, a tristeza e o vazio de Cesar aumentavam. Sem perspectiva de ter uma vida digna, ele passou a viver no mundo do crime e a praticar assaltos à mão armada. “Fui preso pela primeira vez em 1996, aos 25 anos, e depois mais seis vezes, por furtos e assaltos. Entre saídas e retornos, passei oito anos preso no total”, explica.

Para ele, os períodos de detenção foram os piores de sua vida, pois, diante da perda da liberdade, ele foi tomado por sentimentos de derrota, tristeza e ódio e desenvolveu depressão: “lá, em meio a tantos problemas, eu via o trabalho da Universal com os reclusos e, sem saber o que fazer, fiz uma oração para que Deus me ajudasse a mudar e para que eu saísse de lá”.

Sua última passagem por uma penitenciária foi em 2008. Ao voltar a viver em sociedade, ele se deparou com a situação dos filhos, que estavam tendo o mesmo tipo de vida que ele: “foi meu fundo do poço.

Então lembrei do que tinha falado com Deus e fui à Universal para buscar ajuda e uma transformação espiritual. Passei a frequentar as reuniões e a praticar a Palavra de Deus. Ele foi transformando meu interior e meu exterior, me deu paz e a Salvação”.

Hoje, Cesar tem uma vida totalmente diferente e se libertou dos vícios e do crime. “Agora sou bem casado, meus filhos são abençoados, temos paz, sou um exemplo de pai para eles e nossa vida financeira é de sucesso e conquistas, graças a Deus”, conclui.


Ele ganhou a verdadeira liberdade
  • Camila Teodoro / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro