Rede aleluia
Elas têm o direito de ser feliz
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de Novembro de 2020 - 00:00


Elas têm o direito de ser feliz

Saiba como o Godllywood ajuda e incentiva as mulheres

Elas têm o direito de ser feliz

O dia 25 de novembro é considerado o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Essa data foi escolhida para lembrar as irmãs Mirabal, ativistas políticas assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo, na República Dominicana.

Em março de 1999, o 25 de novembro foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher.

Mão amiga

A Universal entende que a mulher deve ser respeita e, além disso, conhecer seu próprio valor. Por isso, idealizou o Grupo Godllywood, para oferecer cuidado, apoio e orientação para as mulheres em diversos aspectos. Atendimentos para escuta e orientações, curso para autoconhecimento e, além disso, reuniões.

O movimento nasceu para ir contra os valores errados que a sociedade tem adquirido. O principal objetivo é incentivar as mulheres a serem melhores para si mesmas, a família e, sobretudo, Deus.

Relacionamento abusivo

Amanda é analista de sistemas e viveu a experiência de estar em um relacionamento abusivo. Ela era agredida pelo ex-companheiro e, por isso, desenvolveu uma depressão. Além do mais, a situação foi a porta para o uso de drogas.

“Tinha pensamentos de suicídio e foi isso o que me trouxe na Universal. Numa noite de muita angústia, ouvi uma oração na rádio da Igreja e me senti bem na hora. Logo depois, no dia seguinte, fui em busca de uma Universal”, conta.

Esta atitude era o início de uma nova vida para a jovem. Veja seu depoimento completo no vídeo abaixo:

Você acessa as novidades, contatos e informações do grupo pelo Instagram, canal no YouTube e site oficial. Você também pode ir à Universal mais próxima. Encontre o endereço aqui.


Elas têm o direito de ser feliz
  • Rafaella Rizzo / Foto: Getty Images - Reprodução 


reportar erro