Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de outubro de 2019 - 12:30


Ela se considerava um estorvo para a família

Depressiva, Rosemeire tentou o suicídio. Conheça a sua história

A corretora de imóveis Rosemeire é mais uma entre milhares de mulheres que, por muitos anos, foi vítima da depressão.

Já na infância – embora na época não tivesse noção disso – apresentava sintomas da doença. “Eu me sentia uma criança rejeitada e, conforme fui crescendo, esse sentimento foi aumentando dentro de mim”, conta.

Ela se casou muito jovem, aos 20 anos, e dessa união nasceram três filhos. Contudo, o casamento acabou e Rosemeire seguiu sua vida carregando dentro de si aquela tristeza sem fim.

Para ela, a culpa de todo o mal que sobrevinha sobre a sua família era dela. Sentia-se um estorvo e, motivada por esse sentimento de culpa, decidiu que tinha de morrer.

Assim, com meia garrafa de vinho, ela ingeriu 25 comprimidos, o mesmo medicamento que a mãe tomava para dormir.

Mas, para o seu desespero, acordou no dia seguinte. Inconformada, fez uma nova tentativa. Dessa vez, cortando os pulsos. Porém, felizmente, foi socorrida a tempo.

“Ninguém entendeu que eu estava depressiva, todo mundo achou que era frescura, que eu estava querendo chamar atenção”, lamenta.

Mas, durante uma madrugada, sem conseguir dormir, ela começou a assistir a um programa da Universal. A forma de pregar e a fé daquele pastor lhe despertou atenção.

Então, ela decidiu conhecer aquela igreja pessoalmente.

Ela conta que lá entendeu que “aquele jugo que eu estava carregando, Jesus já havia levado na cruz por mim. Então, por que eu estava sofrendo ainda? ”, questionou.

Acompanhe o depoimento completo no vídeo abaixo e veja como ela teve seu interior transformado:

Se você está cansada de sofrer e de buscar em tantos lugares a cura para essa dor que sente na alma, procure hoje mesmo uma Universal mais próxima de sua casa. Se preferir entre em contato com o Pastor online e peça ajuda. Temos uma equipe pronta para lhe ouvir e lhe dar todo apoio emocional e espiritual de que você precisa.

Às sextas-feiras, ao meio-dia, em todos os templos da Universal, também acontece o Tratamento para cura da depressão, uma reunião voltada especialmente para tratar das pessoas que sofrem com essa doença, que já é considerada o mal do século. Participe!


  • Jeane Vidal / Foto: Reprodução 


reportar erro