Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de janeiro de 2020 - 12:36


Ela foi atropelada por um caminhão e sobreviveu

Conheça a história de Larissa, que conta como a fé lhe ajudou em um momento difícil

No dia 2 de janeiro do ano passado, Larissa Mason, de 29 anos, sofreu um terrível acidente. Ela estava retornando de Lages, em Santa Catarina, acompanhada do esposo Diego Rosa, de 33 anos, em uma moto.

Entretanto, um carro mudou de faixa e os atingiu. Os dois rolaram pelo asfalto até que um caminhão passou sobre a cabeça de Larissa (foto ao lado do capacete, após o acidente). Em seguida, o casal foi socorrido e levado a um hospital em Tijucas, cidade vizinha.

“Eu fiquei consciente em todo o momento do acidente, eu vi tudo. Foi-me pedido para não tentar levantar ou me mexer. Eu tinha os movimentos preservados dos braços e das pernas, graças a Deus”, recorda-se Larissa.

O início de uma fase difícil

Então, a mãe de Larissa, Hilda Beatriz Masson, e o pai, José Masson Neto, após terem visitado o local do acidente, dirigiram-se até o hospital para saber a situação do casal.

Posteriormente, o médico esclareceu sobre os procedimentos. Seria necessário suturar um corte de aproximadamente 10 centímetros no rosto de Larissa – havia, ainda, múltiplas fraturas no lado esquerdo. Além disso, foram atingidas 3 vértebras e os tendões da mão direita.

Larissa passou por várias cirurgias. Ela sentia dor, tinha dificuldades para falar e se alimentar. Ela também precisou fazer fisioterapia durante três vezes por semana.

Recorrendo à fé em Deus

Assim, Larissa e a mãe decidiram usar a fé. As duas já faziam parte do corpo de obreiros da Universal. E, por isso, Hilda compreendia que precisaria ser forte: “Continuei a colocar o meu uniforme e a trabalhar nas reuniões. Fazia os propósitos de cada reunião. O Espírito Santo é tudo diante de uma situação como essa. Foi o que nos sustentou e é o que nos tem sustentado até aqui”, avalia Hilda.

Ela acrescenta que, naquele dia, recordou-se de uma mensagem sobre os momentos difíceis da vida. Era necessário que ela estivesse em comunhão com o Senhor Jesus, para que fosse possível resistir ao “dia mau” (Efésios 6:13).

“Quando está tudo bem, é muito fácil servir e louvar a Deus. E quando vier o ‘dia mau’, qual será a sua atitude? Eu tinha noção da gravidade do acidente, mas também tinha certeza de que Deus havia preservado a vida da minha filha. Essa certeza e calma chamou atenção da equipe de enfermagem, que me questionou a respeito. Geralmente, as pessoas se desesperam. Contei que servia Deus e que tinha o Espírito Santo para me consolar, que eu fazia trabalho voluntário em hospital e passava a fé para pessoas. E agora era a minha fé que estava sendo provada. Eu nunca fiquei questionando a Deus”, lembra-se Hilda.

Igualmente, Larissa aponta que confiar em Deus foi extremamente importante naquele momento: “O Espírito Santo é primordial em nossas vidas. Pois, temos a consciência de que se não fosse pela misericórdia de Deus, nós não estaríamos aqui hoje. E mesmo nos piores dias que passei internada no hospital, eu tinha a certeza de que o Espírito Santo estava todo o tempo comigo, dando-me forças e cuidando de nós. Vejo que em todos os aspectos Ele cuidou de mim”.

Vencendo o “dia mau”

Felizmente, hoje, um ano depois, Larissa tem uma vida normal. Ela trabalha em uma empresa multinacional e também faz parte do grupo EVG, levando mensagens de fé para as pessoas.

“Eu só tenho a agradecer e engrandecer ao Senhor Jesus por tudo o que Ele tem feito em minha vida e família”, comemora Larissa.

E para quem está enfrentando problemas, ela acrescenta que o melhor caminho é se entregar completamente para o Altíssimo: “Confiar. Pois, Ele não falha, Deus sabe a hora certa e o momento certo. Não sabemos e não entendemos o porquê das coisas, mas o que importa é crer e confiar que Deus é conosco e não nos desempara em momento algum”.

Corrente dos 70

Você também acredita que seu sofrimento pode ter um fim? Tem fé e disposição para o milagre acontecer em sua vida? Ouça o conselho de Larissa e não perca tempo. Busque ajuda na “Corrente dos 70”.

O corredor é o maior caminho de milagres para quem busca a cura. Com a autoridade que Deus deu a esses homens para curar todo tipo de enfermidade. Assista ao vídeo abaixo e confira os horários da reunião que acontece todas as terça-feiras na Universal.

Participe ainda hoje de um encontro no Templo de Salomão, em São Paulo, ou em uma Universal mais próxima de sua casa (veja o endereço aqui).


  • Daniel Cruz / Fotos: Cedidas 


reportar erro