Rede aleluia
Ela estava na Igreja, mas longe de Deus
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de Maio de 2022 - 00:05


Ela estava na Igreja, mas longe de Deus

Por muitos anos, Marina Silva ouviu falar do Espírito Santo, mas não O conhecia de verdade. Sua entrega no Altar mudou essa realidade e sua vida

Ela estava na Igreja, mas longe de Deus

A consultora comercial Marina Ornelas Morais Silva, de 30 anos, cresceu em um lar cristão, estruturado e com paz. “Meus pais chegaram na Universal quando eu ainda era bem pequena. Meus pais se libertaram de vícios e minha irmã foi curada de uma doença respiratória que a fazia ir ao hospital sempre com crises. Foi a primeira transformação que Deus fez em nossas vidas”, conta.

No entanto isso não foi suficiente para que ela também tivesse paz em seu interior durante a infância e a adolescência. “Apesar de viver em um lar cristão, me tornei uma adolescente muito tímida. Isso me levou a ter complexo de inferioridade quanto à minha aparência, insegurança em relação a mim mesma e um interior vazio e triste. Cheguei até a questionar se Deus realmente existia”, diz.

Mesmo ouvindo sobre o Criador e Suas maravilhas por anos, Marina seguia perdida em seu interior e sem uma direção para a sua vida: “eu era uma jovem vazia e carente. Era uma religiosa, pois estava presente nos cultos, fazia orações, mesmo que repetitivas, porém não priorizava os ensinamentos de Deus na minha vida. Eu ouvia falar de um Deus que vi transformar a vida dos meus pais, mas que não habitava em mim” .

Na tentativa de procurar uma forma de preencher o vazio que crescia nela, Marina deu início a um relacionamento amoroso. “Comecei a namorar na juventude e percebi que criei uma dependência sentimental. Minha família estava bem, eu estava trabalhando e estudando, mas nada me preenchia”, revela.

Marina também ressalta que, por meio desse relacionamento, ela se afastou ainda mais de Deus. “Meus pais autorizaram esse namoro, mas era com alguém que não era da fé”, acrescenta. Ela continuava frequentando a Igreja, mas deixou de praticar os ensinamentos que recebia.

Abrindo os olhos
Marina viveu muito tempo em autoenganação e procurando a felicidade em coisas e pessoas até entender o risco que sua alma estava correndo. “Fui para um encontro da Força Jovem Universal (FJU). Enquanto esperava o começo do encontro, estava acontecendo a reunião do Jejum do Impossível e, no meio da pregação, o pastor falou: ‘Marina, tempo de Igreja não salva ninguém, desperta para a sua Salvação!’”.

Refletindo em relação àquelas palavras, ela realmente despertou para a sua real situação espiritual. “Foi então que eu entendi que podia correr atrás de carreira, ter saúde, uma família estruturada, mas, se eu não tivesse o Espírito Santo, a Presença de Deus dentro de mim, jamais seria feliz de verdade. Então terminei meu relacionamento e assumi uma fé verdadeira com Deus.”

A partir desse dia, ela tomou a atitude de se entregar a Deus verdadeiramente e participou de campanhas espirituais para receber o maior milagre: o Espírito Santo.

“Deus me mostrou que eu tinha que abrir mão de tudo o que me ligava ao mundo, como amizades, gostos, manias, enfim, tudo. Entreguei tudo no Altar. Participei da Fogueira Santa em prol do Espírito Santo, pois nessa campanha cada um mostra onde está seu coração e o que é capaz de mudar e ofertar para agradar a Deus”, destaca.

Logo depois da Fogueira Santa veio a Campanha do Jejum de Daniel e Marina se dedicou para que o milagre fosse concretizado: “eu me entreguei totalmente, sem reservas, pois precisava de Deus, afinal, o Espírito Santo é vida. Sem Ele, não existe vida, pois Ele nos direciona, nos preenche e nos faz olhar tudo de uma forma espiritual”.

Receber o Espírito Santo proporcionou a ela a oportunidade de construir uma vida com Deus. Ela teve seu interior preenchido, transformado e isso refletiu em seu exterior e em toda a sua vida. “Hoje não tenho mais complexo de inferioridade, tristeza nem o vazio. Toda minha capacidade vem dEle, porque Ele disse que nos ensinaria todas as coisas. Ele é minha alegria completa e por isso hoje faço o que Deus usou alguém para fazer por mim, que é falar dEle e testemunhar o Seu poder. Afinal, Deus me curou de tudo e me fez uma nova pessoa”, finaliza.


Ela estava na Igreja, mas longe de Deus
  • Camila Teodoro / Foto: Douglas Silva/Mídia FJU 


reportar erro