Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de abril de 2018 - 03:00


Ela ama alguém que nem sabe que ela existe

Renato e Cristiane Cardoso, em A Escola do Amor Responde desta semana, tiram a dúvida da aluna Camila, de 26 anos, que diz ter alimentado uma paixão platônica por alguém. O questionamento que ela fez pode vir ao encontro a algo comum na era digital e com o acesso fácil às redes sociais. Acompanhe os conselhos do casal para ela.

Camila – Tenho 26 anos, sou formada, tenho um emprego e carreira pública. Terminei um relacionamento há pouco tempo. Ele estava desgastado e não era o que queria para mim. Sempre gostei de política. O fato é que criei uma paixão platônica por um dos filhos de um deputado bastante conhecido. Passei a alimentar uma paixão, mesmo sem conhecê-lo pessoalmente, apenas por saber seus interesses, pensamentos, ideais, crenças, doutrinas e religião, que são idênticos aos meus. A questão é a seguinte: posso continuar sonhando com um casamento quase impossível? Sonhar como José, da Bíblia? Não consigo me relacionar com ninguém e só vejo a ele como meu marido.

Cristiane – Camila, você nunca teve acesso e nunca conversou com ele. Ainda assim nutre uma paixão por alguém que nem sabe que você existe. Esse simples fato me faz acreditar que você realmente precisa de ajuda. Outro fator que me chama atenção é que seu último relacionamento acabou porque estava desgastado. Na verdade, você parece que não sabe se relacionar, não sabe o que procurar ou o que é um relacionamento. Na verdade, você está vivendo uma fantasia. A questão é: será que é inteligente sonhar assim? Você pode sonhar que, um dia, será uma deputada e, se lutar por isso, vai realizar seu objetivo. Mas sonhar com um homem desconhecido, que só conhece pelo que lê dele, pelo que falam dele e pelo que ele diz de si mesmo é muito estranho. É possível uma pessoa conhecida se casar com uma pessoa desconhecida, isso acontece toda hora. O problema é que você se apaixonou por alguém que não conhece pessoalmente e nem sabe se ele é o que realmente você imagina que ele seja.

Renato – Você se apaixonou por uma figura que criou em sua mente. Ainda que diga que sabe bastante coisas sobre ele, ainda que leia e que acompanhe vídeos, você até sabe de muita coisa, mas a distância. Você sabe sobre ele tanto quanto uma fã sabe sobre o ídolo favorito. Um fã sabe tudo o que seu ídolo faz, come, veste, para onde viaja, por onde anda, mas viver com aquela pessoa é outra coisa. A vida pública, especialmente quando se fala de políticos e celebridades, nem sempre é a vida privada dela. Mesmo que se apaixone pela pessoa pública e, digamos que se case com ele, qual a garantia de que ele vai ser aquilo que você espera? Desculpe, mas você, realmente, está “viajando na maionese” (risos).

Cristiane – E, enquanto você “viaja na maionese”, deixa de ver as possibilidades que têm ao redor, ou seja, pessoas que poderia conhecer.

Renato – Achei curioso o fato de você evocar o sonho de José, na Bíblia. Mas o sonho de José não era pessoal, não era a respeito dele. Era a história de uma nação a se desdobrar por meio dele. José era uma pequena parte daquele sonho. É muito perigoso pegarmos um acontecimento bíblico, uma profecia que tem a ver com um propósito macro de Deus, e personalizar aquilo a nosso bel-prazer. Eu creio que é o que você está fazendo, Camila. O sonho de José é em outro nível, comparado a esse amor platônico que você criou. Você pediu nossa opinião e o nosso conselho para você é: trate dessas questões emocionais que precisam ser resolvidas e curadas. Se perseverar, se insistir nessa sua paixão platônica, perderá muito tempo de sua vida e, levando em conta as chances de dar errado, de nem acontecer nada e de dar certo, é melhor desistir. Vida amorosa é algo tão importante que não podemos contar nem arriscar pela exceção. Não baseie sua vida na possibilidade da mínima chance. Nós citamos isso no livro Namoro Blindado: se você tem um médico para fazer uma cirurgia e sabe que mais de 90% dos pacientes dele morrem na mesa de operação, aceitaria operar com esse médico, sendo que existem outros especialistas? Pense bem e desperte.

A Escola do Amor Responde

Diariamente, Renato e Cristiane Cardoso esclarecem dúvidas sobre a vida amorosa. Se você deseja ouvir os podcasts com os programas apresentados por eles, acesse blogs.universal.org/renatocardoso/escola/


  • Por Flavia Francellino/ Foto: Fotolia 


reportar erro