Rede aleluia
Do Japão para o Brasil
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Abril de 2017 - 03:15


Do Japão para o Brasil

Pastor vem do outro lado do mundo para se aprimorar no trabalho da Cura dos Vícios

Do Japão para o Brasil

A Universal não tem receio de ultrapassar fronteiras, idiomas e culturas para levar o Evangelho a toda criatura.

Em 1995 ela se instalou no Japão, a “Terra do Sol Nascente”, e, desde então, tem conquistado milhares de almas para o Reino de Deus. E pensando em se capacitar para esse trabalho foi que o pastor japonês Emerson Watanabe (foto ao lado, com a esposa, Leticia Watanabe), de 40 anos, veio para o Brasil e, há quase 1 mês está no Templo de Salomão, na capital paulista. “Sempre assistíamos pelo Univer, mas estar pessoalmente é uma experiência extraordinária. O santuário, o respeito, a reverência e a organização criam um ambiente que nos dá uma experiência muito forte com Deus”, diz ele.

Há 20 anos Watanabe faz a Obra como pastor no Japão. Ele explica que a luta contra os entorpecentes já acontece por lá e que a única diferença entre o Brasil são os tipos de vício. “O maior é a dependência em cigarro, já que, em média, 20% da população é fumante. Outros que escravizam os japoneses são o patinko (caça-níqueis), álcool e jogos eletrônicos.”

Caminhada da fé

O pastor Emerson conhece a Universal desde a infância, quando a mãe dele começou a frequentar a Igreja em busca de cura e restauração familiar. “Quando ela assistiu a um programa evangelístico na tevê, resolveu participar das reuniões e me levava junto. Ela foi curada de todas as doenças e houve uma transformação na minha família. Passei a frequentar a Igreja naturalmente, desde os 6 anos”, lembra.

Aos 19 anos ele decidiu largar tudo para servir no altar e, desde então, vive do outro lado do mundo. Após tanto tempo fora de sua terra natal, ele faz algumas comparações sobre o trabalho evangelístico nos dois países. “Temos todas as reuniões, como no Brasil, mas não temos liberdade para fazer trabalhos nos hospitais e presídios como há aqui. Não podemos evangelizar ou orar pelas pessoas nesses locais”, lamenta.

Visão renovada

O pastor Emerson acredita que a experiência por aqui agregará muito ao trabalho lá, e novas ideias já surgiram para aplicar nos templos japoneses. “Voltaremos com uma visão diferente. Enquanto passamos esse tempo aqui, temos reavaliado tudo o que fizemos até hoje no Japão, e tenho certeza de que o Espírito Santo nos dará essa direção para mudar ou intensificar tudo o que for necessário.”

Quer visitar uma Universal? Não importa em que lugar do mundo você esteja, clique aqui e encontre o templo mais próximo da sua casa.


Do Japão para o Brasil
  • Por Rafaella Rizzo / Fotos: Demetrio Koch - Cedida 


reportar erro