Rede aleluia
Do analfabetismo à faculdade: iniciativa ajuda jovens e adultos a mudar de vida
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de novembro de 2020 - 15:47


Do analfabetismo à faculdade: iniciativa ajuda jovens e adultos a mudar de vida

Brasil tem 11 milhões de analfabetos segundo o IBGE.

Do analfabetismo à faculdade: iniciativa ajuda jovens e adultos a mudar de vida

Desde 1994, o programa social Ler e Escrever – mantido pela Igreja Universal do Reino de Deus – alfabetiza jovens e adultos. O último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2019, apontou que o Brasil tem 11 milhões de analfabetos com 15 anos de idade ou mais, o que representa 6,6% da população do país.

Sem estar alfabetizada, a pessoa vive à margem da sociedade, excluída das melhores oportunidades de trabalho, sem autonomia para circulação nas cidades, enfrenta dificuldades para se comunicar e até para praticar atos corriqueiros e obrigatórios da vida civil, como obter um documento.

Após um período de interrupção em decorrência da pandemia da COVID-19, as aulas do programa social foram retomadas no mês de outubro, obedecendo todas as determinações das autoridades locais. Hoje, o programa social atende de modo gratuito 1.287 alunos, em 309 cidades espalhadas por todos o estados. Os alunos se reúnem em salas reservadas nos templos da Universal.

“O programa Ler e Escrever tem levado dignidade a seus alunos em meio a uma sociedade que os discrimina e não os acolhe”, explica Luiz Antônio Dobroca, coordenador pedagógico do programa social.

Ele relata que muitos alunos foram alfabetizados e, depois, deram continuidade a seus estudos, fazendo o Teste de Equivalência junto aos órgãos públicos de Educação.

“Já temos diversos beneficiados pelo programa social que se formaram em áreas como o Direito e a Pedagogia. Mas o maior desafio que eles encontraram foi a barreira que, por vezes, havia dentro de si: que não iriam conseguir, não tinham condições, que já passaram da idade, sempre prejudicando os seus sonhos e seus objetivos”, conta o coordenador.

Os maiores de 50 anos de idade representam 60% dos alunos do Ler e Escrever, enquanto 25% têm de 25 até 50 anos e 15% são jovens de 15 a 25 anos.

Liberdade pelo conhecimento

“Ser voluntária do Ler e Escrever não se limita apenas a compartilhar conhecimento. A deficiência na escrita ou na leitura não é resolvida somente com uma técnica, mas com dedicação a esse aluno. Ensinar é libertador para quem doa conhecimento e para quem a recebe”, avalia a engenheira Eliete Costa, que colabora com o programa social em Manaus (AM). Atualmente, 396 professores voluntários atuam no programa social.

Um dos beneficiados pela ação é Raimundo Nonato, de 79 anos, morador de capital do Amazonas.

“Há 3 meses fiz a matrícula e o teste de acolhimento para verificar meu nível de conhecimento. Tinha muitas dificuldades motoras, e não conseguia escrever devido à rejeição da minha família. Também tive muito estresse por causa da pandemia e do período sem atividades. Recebi apoio, atenção, orientação e cuidados com minha saúde física. Fiz várias atividades em casa treinando a escrita e leitura. Hoje eu consigo escrever, fiz amizades no projeto e continuo participando das aulas e aprendendo cada vez mais coisas novas”, comemora Raimundo.

Passo seguinte

Além da alfabetização, o Ler e Escrever também oferece cursos profissionalizantes para os alunos, para que sejam inseridos no mercado de trabalho com capacidade. São aulas de informática, corte e costura, cabeleireiro, manicure, depiladora, maquiadora, línguas (Inglês e espanhol), noções sobre gestão empresarial, entre outros.

O programa social também mantém parcerias com unidades do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), que proporcionam palestras com grandes profissionais.

Em 2019, o Ler e Escreveu beneficiou 5.755 pessoas.

Além do Brasil, a iniciativa da Universal está implantada em mais seis países: Angola, Cabo Verde, Colômbia, Equador, México e Timor Leste.

 


Do analfabetismo à faculdade: iniciativa ajuda jovens e adultos a mudar de vida
  • UNIcom / Foto: Reprodução 


reportar erro