Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de outubro de 2019 - 12:06


Deus abençoe a América

Deputada estadunidense propõe Projeto de Lei que incentiva o estudo bíblico dentro das escolas. Entenda

No estado da Flórida, nos Estados Unidos, uma deputada chamada Kimberly Daniels (foto acima) propôs o Projeto de Lei 341 para que as escolas ofereçam cursos específicos sobre a Bíblia aos alunos.

A ideia é que os cursos funcionem em um formato “eletivo”. Ou seja, os alunos terão a opção de cursá-los ou não, pois não farão parte da grade obrigatória. Se for aprovada, a lei entrará em vigor no ano que vem.

Em março deste ano, Kimberly apresentou uma proposta parecida que foi aprovada com 11 votos contra 3. A proposta surpreendeu, sobretudo, por ter sido sugerida por uma deputada dos Democratas, um partido que tem um posicionamento político de esquerda. Tradicionalmente, os partidos de esquerda não defendem pautas do conservadorismo e dos valores cristãos.

Na época, a deputada sofreu alguma oposição por defender uma agenda cristã. Contudo, ela explicou que a ideia é recorrer aos fundamentos da cultura dos Estados Unidos, porque o Texto Sagrado tem um significado histórico para o país.

O que a Bíblia tem a ver com a história estadunidense?

Kimberly quis dizer que os primeiros habitantes europeus dos Estados Unidos eram cristãos protestantes. E, por causa disso, a cultura estadunidense foi fortemente influenciada pelos valores bíblicos, portanto, alinhados com a vontade de Deus.

Quando aconteceu a chamada “Reforma Protestante”, em que a Igreja Católica foi duramente criticada por seus ensinos, pouco a pouco as pessoas se uniram à uma nova ideia sobre a Bíblia. As principais pessoas envolvidas com a Reforma propunham repensar a maneira de se cultuar a Deus.

Com isso, alguns grupos de europeus quiseram não somente estudar a Bíblia em sua raiz, mas faziam das orientações da Palavra de Deus como um “norte” para um novo estilo de vida. Eles queriam viver à maneira dos ensinos bíblicos e resgatar os valores dos primeiros cristãos.

Porém, em meio a tantos problemas acontecendo naquele período, um grupo específico de protestantes foi grandiosamente perseguido na Inglaterra. Sem ter para onde ir, eles escolheram cruzar o oceano Atlântico e criaram colônias no que era conhecido como “Novo Mundo”. Em 1620, um navio chamado Mayflower levou 102 pessoas para os Estados Unidos. Pouco a pouco, as terras foram ocupadas e a cidade de Plymouth, em Massachusetts, foi fundada.

É por isso que Kimberly relaciona a Bíblia com o contexto de formação dos Estados Unidos, e, portanto, o estudo desses valores pela população dos dias de hoje, segundo ela, faz-se importante.

O exemplo dos Estados Unidos nos faz pensar sobre como a Bíblia pode influenciar toda uma nação. Basta que os seus habitantes tenham consciência da importância dos ensinamentos que estão contidos ali. Talvez, não seja à toa que os Estados Unidos, por exemplo, tenham o maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo e possuam bons indicadores sociais sob diversos aspectos.


  • Da Redação / Foto: Reprodução Facebook 


reportar erro