Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de outubro de 2018 - 00:05


Desemprego diminui, mas ainda afeta 12,7% dos brasileiros

Saiba como driblar o momento de dificuldade

Números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 13,2 milhões de brasileiros se encontram desempregados. Em comparação com o mesmo período de 2017 – em que o total era de 13,8 milhões – houve queda de 3,9%, mas apesar disso, a quantidade de desocupados se mantém alta, reunindo 12,7% da população.
A situação favorece os trabalhos informais: sem registro em carteira, ambulantes, autônomos, pequenos negócios, etc. Para alguns isso é sinal de insegurança, mas o coach financeiro, Roberto Navarro, pensa diferente. Para ele a segurança vem mesmo é de uma renda extra e capacitação.
“No caso de uma fonte secar, a pessoa tem outra para se manter, isso traz equilíbrio financeiro. Para isso, se capacitar é a melhor forma de garantir um bom trabalho, não somente em um emprego, mas também nesse algo a mais”, explica.
“Buscar cursos técnicos, especializações, curso de vendas, de relacionamentos, coaching, entre outros, sempre será um diferencial, principalmente em momentos de crise”, acrescenta.
A autônoma Solange Espelho (foto ao lado), de 53 anos, seguiu o conselho do especialista e, enquanto estava desempregada, investiu no curso de administração realizado no Instituto Bem Maior (Projeto Ler e Escrever) para se atualizar.
“O curso me ajudou a entender o fluxo de caixa, a parte de propaganda, como abrir uma empresa, controlar meus custos, entre outras coisas. Quando me formei decidi começar meu próprio negócio no ramo alimentício. Hoje faço e vendo bolos no pote”, conta.
Instituto Bem Maior
Fazer cursos, se aperfeiçoar ou aprender novas atividades é uma forma de não ficar ocioso e sem renda. Para isso, o Instituto Bem Maior oferece diversos cursos profissionalizantes e com certificação.
Alguns exemplos de aulas são os de alfabetização e supletivo, corte e costura industrial, artes marciais, na área de estética e beleza, idiomas, entre outros.
Clique aqui para acessar o site do Instituto e saber mais detalhes. Você também pode curtir a página oficial do grupo no Facebook, visitá-los no endereço Rua Rio Bonito, 616 e 632, Brás, zona leste da cidade de São Paulo, ou ligar no número (11) 3497-1656, das 12 às 21 horas.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: iStock - Cedidas 


reportar erro