Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de fevereiro de 2019 - 13:32


“Dentro do presídio, eu caí na real”

Após mais de 10 anos no crime, saiba como Marcio Quintino decidiu mudar de vida

A falta de estrutura familiar, de um projeto de vida e de políticas públicas que combatam a desigualdade social, além do aumento do consumo de drogas são alguns fatores apontados por especialistas como motivadores para o envolvimento de adolescentes com o crime.

Dados levantados pelo Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE) revelam o perfil do adolescente em conflito com a lei. Cerca de 90% são homens, mais da metade não frequenta a escola, está com idade entre 16 e 18 anos, e é usuário de droga e quase 13% vêm de família que não possui renda.

Marcio Quintino fez parte da estatística de menores infratores. Por causa das dificuldades financeiras que a família vivia, por volta dos 12 anos de idade ele passou a pedir esmolas nos semáforos, e com aquelas poucas gorjetas ajudava seus pais a sustentar os outros nove irmãos.

Logo, o tráfico de drogas lhe foi apresentado como uma oportunidade de ganhar dinheiro, e com ele, os assaltos. Em uma das ações, Marcio foi baleado e gravemente ferido. Contudo isso não o parou, pois mesmo após meses de internação no hospital, ele voltou à prática do crime, onde se envolveu ainda mais, e inclusive, chegou a gerenciar pontos de droga.

Leia mais:

Entrelinhas: Marcas do passado

Entrelinhas: Vida de aparência

Mas toda escolha tem uma consequência. Durante uma ação policial, Marcio – que estava reunido com outros criminosos – foi preso. E na prisão viveu seus piores momentos.

“Dentro do presídio, eu caí na real”, conta.

Condenado a cinco anos de detenção, totalmente desacreditado e sem nenhuma perspectiva, ele viu que precisava de ajuda se quisesse mudar de vida.

Conheça essa história de transformação de vida, exibida no programa Entrelinhas que foi ao ar no último domingo, 10 de fevereiro, pelo Univer Vídeo e pelo Facebook. Apresentado pelo Bispo Renato Cardoso, e sua esposa Cristiane Cardoso, que além da presença de Marcio e sua esposa Maiara, contou com a participação de representantes do grupo Universal nos Presídios (UNP), Claudio Roberto e Luiz Silva, trabalho pelo qual Marcio foi alcançado.

Assista no vídeo abaixo o programa na íntegra:

 


  • Núbia Onara / Foto: Divulgação 


reportar erro