Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de outubro de 2018 - 00:05


De onde surgiu aquele quadro?

UNP Ceará recebe homenagem pelo trabalho nos presídios

Na sala do projeto Universal nos Presídios (UNP) da Avenida Tristão Gonçalves, em Fortaleza, no Ceará, uma pintura em acrílico chama atenção de quem visita o local. “Quando atendemos ex-internos, eles ficam admirando o quadro. Parece que ele os faz lembrar do cotidiano da unidade”, conta o Pastor Ricardo Souza, coordenador da UNP no Estado.
Ele diz que o quadro foi um presente dos detentos para expressar a gratidão pelo trabalho evangelístico e de ressocialização feito duas vezes por semana pelos voluntários da UNP no Centro de Execução Penal e Integração Social Vasco Damasceno Weyne (Cepis), maior unidade prisional do Ceará.
O governo estadual promove atividades de leitura e arte no presídio e a UNP auxilia com a evangelização e eventos esportivos. A pintura foi idealizada em uma aula de que participam oito internos. Mas só um deles é o autor da obra.
O quadro de tamanho médio levou cerca de um mês para ser concluído. “A pintura é importante porque mostra o impacto que nossa ação causa neles, a visão dos internos sobre as visitas, orações, a leitura da palavra e o trabalho de libertação. Perceba que na pintura tem um interno de joelhos e um voluntário com a mão na cabeça dele e também outro voluntário lendo a Bíblia enquanto eles meditam”, destaca o Pastor Ricardo.

Para ele, o quadro transmite a paz experimentada pelos internos ao saber que Jesus se lembrou deles e simboliza a responsabilidade dos voluntários. “Se nosso dever foi cumprido, temos que continuar com a missão de auxiliá-los.”
Dupla missão
A UNP Ceará conta com 700 voluntários, que prestam atendimento em 17 unidades prisionais do Estado, sendo que em oito delas é feito o trabalho de ressocialização. O Pastor Ricardo é auxiliado pelo Pastor Erivan Feliz, no Bloco Sobral, e pelo Pastor Marcos Gomes, no Bloco Juazeiro do Norte.
Até o momento, foram beneficiados 5 mil detentos e suas famílias com apoio espiritual, kits de higiene e cestas básicas. Além desses projetos no Cepis, o trabalho de ressocialização já levou curso profissionalizante de design de sobrancelha ao Instituto Penal Feminino Auri Moura Costa.
Entre os planos futuros estão a adaptação de um espaço para a instalação de uma biblioteca na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto e um curso de bombeiro civil e primeiros socorros, que beneficiará cinco unidades.


  • Katherine Rivas / Fotos: Cedidas 


reportar erro