Rede aleluia
Criminosos se passam por pesquisadores do Ministério da Saúde para roubar brasileiros
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Janeiro de 2021 - 17:53


Criminosos se passam por pesquisadores do Ministério da Saúde para roubar brasileiros

Saiba como se proteger e como reagir ao golpe, caso seja vítima

Criminosos se passam por pesquisadores do Ministério da Saúde para roubar brasileiros

Criminosos estão utilizando o nome do Ministério da Saúde para aplicar golpes via WhatsApp. De acordo com o próprio Ministério, a pasta não está efetuando ligações para os cidadãos e tampouco solicitando qualquer dado pessoal por meio das redes sociais.

Durante o golpe, os criminosos se apresentam como pesquisadores do Ministério. Eles então realizam algumas perguntas sobre a COVID-19 e solicitam a leitura de um código que foi enviado por SMS. Uma vez que esse código é cedido, o WhatsApp da vítima é “sequestrado”.

O que está acontecendo, na verdade, é a instalação do WhatsApp em outro aparelho celular. Para que essa instalação seja efetuada, o aplicativo solicita um código que é enviado para o telefone original do usuário. Esse é o código solicitado pelos criminosos.

Assim que o WhatsApp é instalado no novo aparelho, a vítima perde o controle do aplicativo. Os criminosos têm, então, acesso a conversas e contatos. Geralmente, eles analisam as pessoas mais próximas, como familiares e amigos, e enviam mensagem pedindo que sejam realizados depósitos em contas bancárias.

O que fazer caso isso aconteça

É importante lembrar sempre que o Ministério da Saúde não está realizando essas ligações.

Ademais, em qualquer ligação realizada pelo Ministério da Saúde o identificador de chamadas mostra o número oficial da pasta: 136 ou 00136. Qualquer número diferente disso pode ser denunciado à Polícia Civil, pois é falso.

Entretanto, os criminosos atuam em horário comercial, que é quando as vítimas estão, geralmente, com pressa ou distraídas. Assim é mais fácil fazer vítimas. Se você for uma delas, siga os seguintes passos:

1- Bloqueie temporariamente seu WhatsApp. O próprio aplicativo oferece essa opção. Depois você poderá recuperar as conversas antigas.

2- Ligue para seus contatos mais frequentes e explique que você não está pedindo dinheiro. Se os criminosos agirem, eles não devem realizar depósitos.

3- Denuncie o número à Polícia Civil. As investigações podem levar aos criminosos.

Também é importante ressaltar que o WhatsApp oferece verificação em duas etapas. É uma proteção a mais contra bandidos.

Por fim, jamais transfira dinheiro ou dados pessoais antes de conversar pessoalmente com quem está pedindo. Se a conversa não for possível, realize uma chamada de vídeo.

Clique aqui e leia mais dicas para se proteger de golpes online.


Criminosos se passam por pesquisadores do Ministério da Saúde para roubar brasileiros
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro