Rede aleluia
Criminalidade aumenta no Brasil e principais vítimas são os jovens
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de outubro de 2020 - 00:05


Criminalidade aumenta no Brasil e principais vítimas são os jovens

Saiba o que a Força Jovem Universal faz para investir no sucesso desta parcela da população

Criminalidade aumenta no Brasil e principais vítimas são os jovens

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) fizeram um mapeamento das mortes violentas no Brasil, com base em dados do Ministério da Saúde, em 2017. O trabalho resultou no Atlas da Violência 2019.

O estudo mostra que em 2017 o País registrou 65.602 homicídios (aumento de 4,2% em relação a 2016), o que equivale a 31,6 mortes para cada 100 mil habitantes – o dobro, por exemplo, da taxa de homicídios do Iraque em 2015.

Criminalidade aumenta no Brasil e principais vítimas são os jovens

Quando o assunto são os jovens, o cenário é ainda pior. Dentre os 65,6 mil homicídios, mais da metade – ou 35.783 – foram de pessoas entre 15 e 29 anos. “É fundamental que se façam investimentos na juventude, de modo a garantir condições de desenvolvimento infantojuvenil, acesso à educação, cultura e esportes, além de mecanismos para facilitar o ingresso do jovem no mercado de trabalho”, diz o estudo.

FJU investe no futuro do País
Um braço forte que contribui para mudar esta situação é a Força Jovem Universal (FJU), que mantém uma série de projetos, ações e eventos para encorajar os jovens a acreditarem em si mesmos, desenvolverem talentos e recuperar a autoestima. “Abordamos assuntos relevantes ligados ao que os jovens enfrentam no dia a dia. Eles ocupam o tempo em projetos ligados ao esporte, cultura (teatro, dança e música) e educação, entre outros. Além disso, recebem apoio emocional dos voluntários”, explica o Bispo Celso Júnior, responsável pela FJU no Brasil. O Bispo informa que o grupo atua em todos os Estados brasileiros e assim todos recebem a oportunidade de ter um futuro melhor.

“O jovem feliz tem personalidade, está bem consigo mesmo, sabe o que quer para o futuro. Assim, se torna um exemplo para os demais. Dentro de você tem algo muito valioso e se você não sabe como explorar isso, nós vamos ajudá-lo”, completa o Bispo.

Para fazer parte, procure o polo da FJU mais próximo de sua residência.


Criminalidade aumenta no Brasil e principais vítimas são os jovens
  • Rafaella Rizzo / Fotos: Cedidas 


reportar erro