Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de março de 2019 - 00:05


Cresce o número de suicídios entre policiais

Só no Estado de São Paulo, um PM tira a própria vida a cada dez dias

Segundo o Relatório Anual da Ouvidoria das Polícias do Estado, divulgado em fevereiro, 45 policiais se suicidaram em 2018, contra 26 em 2017 – o que corresponde a um aumento de 73% de um ano para outro.

As mortes englobam as corporações Civil e Militar. O levantamento aponta que dez policiais civis se mataram no ano passado, mesmo número de ocorrências registradas no ano anterior. Já a quantidade de PMs que cometeu suicídio mais do que dobrou nesse intervalo: saltou de 16 em 2017 para 35 em 2018. Só para se ter uma ideia, é como se a cada dez dias um deles tirasse a própria vida.

No relatório, o ouvidor responsável, Benedito Mariano, destacou que esses números são alarmantes e que é necessária a criação de um “acompanhamento da saúde mental dos policiais com profissionais de fora
das instituições.”
São Paulo é o Estado com o maior efetivo de policiais militares: quase 94 mil em um universo de 425 mil espalhados por todo o Brasil. Mas os casos de suicídio também ocorrem em outros locais.

De acordo com a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra-BA), 21 PMs cometeram suicídio no Estado entre 2016 e 2018. Já no Rio de Janeiro, 58 morreram por suicídio entre 1995 e 2009 – período do último levantamento divulgado. Para o Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), os policiais militares cariocas têm quatro vezes mais chances de cometer suicídio do que a população comum.

A dificuldade em lidar com a pressão cotidiana é um dos problemas enfrentados pelos policiais. O estresse, o medo e a angústia são inerentes à profissão de quem arrisca a própria vida para salvar a dos outros.

De acordo com a Lei de Acesso à Informação da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, entre janeiro de 2014 e junho de 2018, três PMs foram diagnosticados, por dia, com transtornos mentais.

Só naquele Estado, a Polícia Militar comprou, nos últimos dois anos, cerca de 750 mil medicamentos de tarja preta, cujo uso tem controle rigoroso e é condicionado à apresentação de receita médica. Entre os remédios estavam ansiolíticos (para ansiedade), antipsicóticos e antidepressivos.

Além disso, houve uma explosão no número de licenças médicas. Segundo dados da própria PM do Rio de Janeiro, em 2017, mais de 8 mil autorizações foram dadas a membros da tropa para tratamento psiquiátrico.

Apoio
Se os policiais cuidam da segurança e do bem-estar da população, quem pode fazer isso por eles? Desde 2017, voluntários da Universal realizam um trabalho de evangelização com estes profissionais. Recentemente, foi criado o grupo Universal nas Forças Policiais (UFP) para prestar auxílio social e espiritual a todos os membros das Forças Armadas – Marinha, Exército e Aeronáutica – e da segurança pública, como Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Civil, Guarda Municipal e agentes penitenciários. O responsável é o Pastor Roni Negreiros, major-capelão da Polícia Militar do Estado do Maranhão.

O grupo promove palestras preventivas sobre corrupção, ética, drogas, estrutura familiar, casamento e educação dos filhos e realiza reuniões para o fortalecimento espiritual destes profissionais. Para saber mais, acesse www.facebook.com/UFPBrasil.


  • Janaina Medeiros / Foto: Alf Ribeiro/Folhapress 


reportar erro