Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de outubro de 2019 - 00:05


Corrupção exterior

Leia a mensagem de hoje do livro “O Pão Nosso para 365 dias”

“Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia.”  (2 Coríntios 4.16)

Nas guerras entre exterior e interior, alma e espírito, sempre há o vencedor, que decide o destino final da alma. Nem sempre o Espírito de Deus vence a carne. Isso porque a carne, o exterior, a alma ou o coração — tudo dá no mesmo — não está sujeita à lei (vontade de Deus), nem mesmo pode estar! (Romanos 8.7)

Entretanto, as corrupções do homem exterior, ou seja, as obras da carne, não têm poder para impedir que os valores espirituais do homem interior sejam anulados. Só se a pessoa quiser… Porque o homem interior dispõe de muitos recursos para neutralizar o homem exterior. Confissão de pecados, arrependimento, oração, jejum, pano de saco, enfim… Meios para se levantar não faltam.

A pessoa comete um erro e o mal começa acusá-la com insistência. Sua consciência dói. Sabe que está errada. O que fazer? Deixar-se levar pelo desânimo ou usar das ferramentas da fé para se reerguer? Ciente do perdão mediante confissão sincera, ela age e, imediatamente, recebe o perdão pela fé.

A partir de então, toma atitude de retornar ao estado original de paz com Deus, pelo abandono do pecado e do passado. Por isso, fraqueza da carne não desanima quem tem sincero compromisso em seguir a Deus. Caso isso tenha acontecido com você, veja como uma oportunidade de vencer a carne e amadurecer na fé. Uma vez vencido o erro, você se tornará ainda mais forte e firme com Deus. Essa é a fé prática, que nada tem a ver com sentimentos. Apenas obediência.

Não desanime com as acusações, pois Deus já nos deu as ferramentas para a manutenção da nossa salvação.

(*) Fonte: livro “O Pão Nosso para 365 dias”, do Bispo Edir Macedo


  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro