Rede aleluia
Coronavírus: mais de 223 mil pessoas já se recuperaram
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 1 de abril de 2020 - 20:03


Coronavírus: mais de 223 mil pessoas já se recuperaram

Doença ainda é perigosa, mas a cura é possível e já chegou

Coronavírus: mais de 223 mil pessoas já se recuperaram

Até às 15h26 do dia 03 de abril, exatamente 223.697  pessoas haviam se recuperado e eliminado o vírus COVID-19. Dos mais de um milhão de casos confirmados, menos de 5% foram fatais.

Esses números estão disponíveis para consulta pública em um painel online e atualizado em tempo real pela Universidade Johns Hopkins (Estados Unidos). Clique aqui para saber dos números exatos neste momento.

De acordo com o periódico especializado em saúde British Medical Journal (BMJ), praticamente todos os casos fatais aconteceram entre pessoas que estão no grupo de risco (idosos, portadores de doenças crônicas, obesos e imunodeprimidos).

No Brasil, foram confirmados quase 6 mil casos, sendo que 127 pessoas já estão saudáveis novamente e 3,5% dos casos foram fatais.

Siga se protegendo, mas sem pânico

Os números acima demonstram que não é necessário pânico em relação ao COVID-19. É preciso, sim, proteger-se. Praticar o distanciamento social, higienização correta e o isolamento de pessoas em grupo de risco. Mas não é preciso cultivar o medo irracional.

Como é possível perceber, quase nenhum veículo de comunicação divulga o número de pessoas recuperadas. Esse fato vai ao encontro do alerta realizado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta:

“Desliguem um pouco a televisão. Às vezes, ela é tóxica demais. A quantidade de informações e os meios de comunicação são sórdidos, porque só vendem se a matéria for ruim. Se não, ninguém compra o jornal. Nunca você vai ver um jornal falando que uma pessoa estava sorrindo hoje na rua. Nunca você vai ver que a felicidade está reinando em tal lugar. Isso não vende.”

Infelizmente, muitos canais de televisão e os veículos de mídia, em geral, estão mais preocupados em utilizar o sensacionalismo para ganhar audiência do que em contar a verdade. E esse tanto de más notícias pode até desencadear transtornos mentais em quem está assistindo, conforme comprovou estudo da Universidade da Califórnia (EUA).

Por isso, escolha bem quem vai te manter informado. Não adoeça pelo pânico. Antes, clique aqui e leia mais sobre como se proteger dos males do sensacionalismo jornalístico.


Coronavírus: mais de 223 mil pessoas já se recuperaram
  • Andre Batista / Imagem: Reprodução internet 


reportar erro