Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de junho de 2020 - 15:35


Coronavírus: angolanos recebem donativos para sobreviver à crise

Mais de um terço da população vive em situação de extrema pobreza

Com a pandemia causada pelo novo coronavírus, a situação da população mais miserável de Angola, historicamente privada de comida, água potável e assistência médica, foi agravada. No entanto, a Igreja Universal do Reino de Deus do país africano tem prestado assistência social às comunidades carentes angolanas. Só em maio, foram doados mais 40 mil litros de água e uma tonelada de alimentos.

“Devido às medidas tomadas a fim de impedir a propagação da Covid-19, as famílias sofreram um grande impacto econômico. Muitos responsáveis pelo lar perderam sua fonte de sustento. A Igreja, que tem uma responsabilidade social junto à comunidade, não poderia ficar alheia. Então, temos nos mobilizado para ajudar essas pessoas”, explica o responsável pela Universal em Angola, Antônio Ferraz.

Os dados da Afrobarómetro – rede de pesquisa pan-africana – apontam que dois terços (67%) dos angolanos ficaram sem comida suficiente pelo menos uma vez durante o ano, incluindo um em cada cinco (21%), que ficaram “muitas vezes” ou “sempre”.

Antônio Caculo, morador do Bairro da Madeira – localizado na cidade de Luanda – foi um dos beneficiados pelas ações sociais da Universal no país. Ele se encontrava há três dias sem comida para ele e sua família. “Eu estava desesperado, sem saber o que dar para os meus filhos. A cesta básica que recebi da Universal veio para salvar os meus dias, pois essa comida suprirá nossas necessidades”.

Para a voluntária Ivone Teixeira, ser voluntária nesta causa nobre é um privilégio. “Através de ações como essa, conseguimos aliviar a carência das famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade, dando a elas as condições básicas para sobreviver”.

Além das doações de água e alimentos, com a campanha de doação de sangue promovida entre os membros da Universal, no mês de maio, mais de 600 pessoas foram beneficiadas.

 UNIcom – Departamento de Comunicação Social e Relações Institucionais da Universal 


  • UNIcom 


reportar erro